13 de jun de 2016

O país dos elegantes

Eu confesso que não sei a verdade: não sei se Lula é ou não dono de um triplex no Guarujá como não sei se FHC é ou não dono de um apartamento na Avenue Foch, em Paris.
Sei apenas que a presunção de ser dono de um triplex no Guarujá é inequivocamente associada à corrupção e a presunção de ser dono de um apartamento em Paris não tem nada a ver, obviamente, com corrupção.
Especialmente se o apê do Guarujá for um tanto novo-rico e o apê de Paris, um tanto elegante.
A questão é estética.
Lula carregando uma caixa de isopor e sendo dono de um barco de lata é uma cômica farofa. Se FHC carregasse uma caixa de isopor e fosse dono de um barco de lata seria uma concessão à humildade.
A questão é classista.
Um Odebrecht sentado à mesa com FHC é um empresário rico. O mesmo Odebrecht sentado à mesa com Lula é um pagador de propina.
Nada disso tem a ver com corrupção. Nada disso revela qualquer preocupação com o país.
A cada dia que passa, é mais evidente que o que está em discussão é quem são os verdadeiros donos do poder.
E os donos legítimos do poder são os elegantes. Aqueles com relação aos quais não interessa saber como amealharam riqueza porque, simplesmente, a riqueza lhes cai bem.
A casa grande tem um perfume que inebria toda a lavoura arcaica e sensibiliza até a senzala. É o que estamos assistindo.
Tudo o mais, tudo o que não é casa grande é Lula e os amigos de Lula!
A questão é preconceito.
Vejam como um fraque cai naturalmente bem em FHC. Um fraque assim em Lula, certamente, deveria ter sido roubado.
O Brasil é o país dos elegantes. De uma elegância classista, racista e preconceituosa deitada eternamente no berço esplêndido do aristocrático século XIX.
[FHC, por favor, levante a gravata do seu lado direito, está um pouco torta, isso, perfeito!]


[Texto publicado originalmente no perfil do Facebook em 31/01/2016]

'Cidade Aberta'

Vã ilusão!

Já é por si lamentável que circunstâncias administrativas e pessoais tenham levado o governo municipal a fazer duas trocas de secretários da Saúde, em pouquíssimo tempo. Em áreas de gestão muito complexa, como é o caso, continuidade administrativa é desejável. O pior, no entanto, é que a posse do atual secretário tenha chegado aos jornais não com anúncios sobre novas prioridades da Saúde, mas apenas com a manchete de que sua missão é reduzir os gastos do setor. Aí é inadmissível!

3 de jun de 2016

'Cidade Aberta'

Um beco sem saída

É comum os jornais estamparem manchetes sobre novas empresas vindo para Sete Lagoas e, ao lado, sobre o aumento da violência na cidade. A primeira é lida pela maioria das pessoas de forma alvissareira e a segunda, com temor. No entanto, já passou da hora de lê-las como faces de uma mesma moeda: o nosso modelo econômico contém, ele próprio, o DNA da violência.

'Cidade Aberta'

O nome disso não é modernidade

Cobradores de lotação, faz tempo, estão com os dias contados. Eles integram aquelas profissões que vão perdendo a razão de ser pela extinção de suas funções; no caso, pela substituição do trabalho humano pela bilhetagem eletrônica. Uma coisa, entretanto, é que esse processo ocorra por força da realidade; outra, de maneira precipitada e temerosa.