14 de fev de 2016

'Cidade Aberta'

Os outros

A experiência cotidiana de vida urbana tem sido marcada pelo temor sem limites a tudo o que se desconhece. Tudo o que não está circunscrito ao que cada um chama de seu, tudo o que diz respeito aos outros ameaça. Os outros lugares: os lugares desconhecidos, fora da rotina de cada um, conspiram. Os lugares segregados, abandonados, periféricos, esquecidos apavoram. Os outros, homens e mulheres: os outros na rua, na janela do carro, no sinal acionam enormes sirenes de alerta. Os outros segregados, abandonados, periféricos, esquecidos afrontam a delicada segurança dos que não são os outros.

'Cidade Aberta'

Sinais trocados

Em tempos de redes sociais, as pessoas andam tão compulsivamente opinativas, mas, paradoxalmente, tão desinteressadas em qualificar opiniões que se torna impossível chegar a entendimentos pacíficos sobre qualquer tema. Um deles, polêmico como nunca, é o da meritocracia.

'Cidade Aberta'

Incapazes


Ultimamente, muitas pessoas têm tomado aversão à política. O principal pretexto tem sido a corrupção atribuída ao PT. Creio que corrupção é sim um motivo suficiente para aversão. Mas discordo desse pretexto, da forma apressada como é posto, por duas razões. Uma, porque ele partidariza um fato que sempre fez parte do Estado brasileiro, ainda que oculto. Outra, porque não entende a corrupção como sintoma de um problema maior: o do colapso de nossas lideranças.

'Cidade Aberta'

Essa nossa coleção de crateras

Em todo lugar, chuvas constantes são desastrosas para a pavimentação asfáltica das ruas. Numa cidade como Sete Lagoas, com severos problemas de drenagem urbana, seja pela topografia muito plana, seja em função do pouco prestígio que esse tema sempre gozou, nas várias administrações, a situação se agrava. De qualquer forma, as águas torrenciais dos últimos dias explicam, mas apenas em parte, o estado deplorável de nossas ruas, não aqui e ali, mas em toda a cidade.

'Cidade Aberta'

Usurpação

Se você trabalhasse transportando carga pesada num caminhão velho, fumando, com motor quase fundindo, de duas uma: você se esforçaria para retificar o motor e recuperar a capacidade de trabalho ou faria uma lanternagem geral para o caminhão parecer novo, ainda que continuasse se arrastando? A resposta parece óbvia, mas, na política, não é.

'Cidade Aberta'

Muitxs

Há tempos, eu venho acompanhando, ainda que à distância, as discussões do Muitxs, um coletivo de BH que reúne pessoas, grupos e movimentos sociais, sempre em espaços públicos e abertos, em torno de soluções novas para ‘a cidade que queremos’. Nesta semana, um conjunto de 10 propostas formulado pelo coletivo foi parar nas páginas do jornal O Tempo. Ainda que digam respeito à nossa capital, essas propostas, no espírito de cidade que elas traduzem, são muito inspiradoras para nós, sete-lagoanos.

'Cidade Aberta'

Uma utopia, por favor!

Colocando as paixões ideológicas de lado, tanto quanto possível, o que nos resta é um ano de 2015 de uma pobreza terrível. Desde meados de 2014, quando iniciou-se o processo eleitoral, até hoje, são impressionantes as cenas que a sociedade brasileira viveu. Do ódio de parte a parte, a um racismo absurdo de alguns e a um anacronismo militarista de outros, da falta de civilidade de muitos, a uma ruptura com a história de vários e a um desdém de outros tantos com nossa própria experiência democrática, chegamos ao pior dos mundos: atiradas todas as pedras, não temos nada nas mãos. Não temos um projeto para o país, senão apenas ideias velhas que vão e voltam, de olhos no passado, que indicam que os modelos que tínhamos se esgotaram. Não temos lideranças, senão apenas personalidades narcisistas que dizem muito pouco a muito pouca gente. Nem as ideias se inovaram, nem os homens se renovaram.

'Cidade Aberta'

Não termina nunca!

Há dois, três anos, quem imaginaria que estaríamos vivendo essa bagunça que o país virou? O ano de 2014 nos armou e nos pôs todos contra todos. Quem pensou que as eleições aplacariam os ânimos errou. 2014 não acabou e, em estado de ódio, invadiu 2015. Seguimos nós nessa guerra fria, o palco perfeito para todo tipo de dissenso e oportunismo. E o que é pior: uma pane de lideranças promete empurrar esse clima para 2016. A crise econômica virou fichinha perto da crise política. Enquanto as famílias brasileiras sofrem com uma insegurança crescente, a política se diverte.

'Cidade Aberta'

Indignação e perplexidade!

Toda convicção ideológica e toda prática política, de direita à esquerda, são legítimas desde que respeitadas as regras do Estado Democrático de Direito. Para além desse limite, qualquer ação é golpista e precisa ser rechaçada sem subterfúgios.