22 de jul de 2014

'Cidade Aberta'

E aí, batuta?

"Dr. Washington de Lima Bruzzi. Engraçado, há anos eu não ouço sequer uma breve menção a esse nome, na cidade". Esse é o ponto de partida do artigo desta semana, no SETE DIAS, que pode ser lido AQUI.

11 de jul de 2014

'Cidade Aberta'

Pelo jeito, acontece!

"O que me intriga é a forma dúbia como a nossa sociedade parece lidar com esse assunto da corrupção: em tese, de forma difusa, com clichês como 'a roubalheira que está aí' ou 'essa corrupção generalizada', ela se mostra bastante indignada; sobre fatos concretos, sobre denúncias reais, curiosamente, não!" Esse é o mote da coluna Cidade Aberta, no SETE DIAS desta sexta-feira, que pode ser lida AQUI.

4 de jul de 2014

'Cidade Aberta'

Uma lei e pronto!

Acho que ninguém gosta tanto de leis quanto nós. De criá-las, claro!; não necessariamente de segui-las. Na área urbano-ambiental, então, nem se fala. Um problema, uma lei e pronto! Fiscalização? Pra quê fiscalização? Esse é o tema da coluna Cidade Aberta [AQUI], no SETE DIAS desta semana.

3 de jul de 2014

Web farsas

A atividade política nas redes sociais, especialmente no Facebook, tem um ritmo muito particular. Muito rápido, gestual, bate-pronto. Não há espaço para, digamos, um debate aprofundado de ideias. Para argumentações, réplicas e tréplicas. Alí não é lugar para isso. Alí, as regras são outras. Algumas pessoas conseguem se adaptar bem a elas e, cumulativamente, demarcar um posicionamento com lucidez. Sempre com textos muito enxutos, rápidos; e, não raramente, inteligentes, espirituosos, perspicazes. A maioria, no entanto, não. A maioria sucumbe à instantaneidade, à superficialidade. E se deixa levar da superficialidade à leviandade. Nesse momento, a conversa política na rede perde a sua legitimidade ideológica, qualquer que seja, para se desqualificar em farsas, em web-farsas. Especialmente, nas farsas das imagens. O espaço é muito propício a isso. Comumente, eu me surpreendo com algumas dessas potenciais farsas e me pergunto: - isso não pode ser verdade; como alguém pode acreditar nisso? Ou, lembrando que ninguém age com neutralidade, como alguém pode se valer desse expediente? Uma dessas imagens é uma foto de Lula lendo 'O Aleph' de cabeça pra baixo. A intenção antipetista é clara. Mas qualquer que seja ela, é certo que Lula não tem curso superior [como vários que compartilharam a foto também não o tem], assim como é certo que ele não é iletrado. Óbvio que é uma foto totalmente sem nexo que desqualifica, na verdade, quem a divulga. Ainda assim, vira e mexe, ela volta a ser propagada...


Outra, mais recente, é uma foto de Fidel, Chávez e FHC. A farsa é recente; a foto, não. A foto foi tirada em Santa Elena de Uairén, na Venezuela, em agosto de 2001, na inauguração de uma subestação de energia elétrica. Curiosa e pateticamente, alguns internautas têm se dedicado a contar os dedos da mão esquerda de FHC para afiançar que é a mão sem o dedo mindinho de Lula e que tudo não passa de uma montagem: quem está ali, por certo, não é FHC, mas Lula. Ou seja, o antipetismo chega a tal extremismo que perde a noção de história e de como se dão as relações entre governos latino-americanos! Em nome da verdade ideológica, eu pedi a Fidel e Chávez que levantassem generosamente as suas mãos e, naturalmente, lá estavam todos os cinco perfeitos e intelectuais dedos fernandistas. A propósito, a imprensa, na época, noticiou a cordialidade dessa reunião e uma frase lapidar de FHC que muitos de seus seguidores, por certo, também dirão que saiu da boca de Lula: "Por muito tempo, Brasil e Venezuela estiveram de costas um para o outro. Isso foi um erro. Ou nos integramos, ou erramos", afirmou FHC, em espanhol [AQUI].