10 de jan de 2014

'Cidade Aberta'

O que me assombra?

Eu inauguro a agenda de debates de 2014 pagando uma dívida que deixei pendurada em 2013: uma dívida de solidariedade com a arquiteta Maria Eunice Avelar Marques, que foi destituída injustificadamente do Conselho Municipal de Patrimônio Cultural, o COMPAC de Sete Lagoas. Maria Eunice sai do Conselho deixando um exemplo de coerência e dignidade. Mas, para além desse caso particular, o que me assombra é o cenário que ele aponta de intolerância na política sete-lagoana. Mau sinal! Esse é o tema da coluna Cidade Aberta, no SETE DIAS, que volta às bancas, nesta sexta-feira, depois de brevíssimas férias. A versão digital do artigo de hoje pode ser lida AQUI.

5 comentários:

Anônimo disse...

Artigo magistral, assim como a postura de Maria Eunice. Reprovável e ridícula a postura do Alcaide de plantão. Pouco ou nada se espera de postura democrática deste Governo. O controle dos Conselhos Municipais é algo tido como indispensável para a governabilidade na visão de Márcio "Rei". Parabéns pela coragem de abordar o tema, coisa que os jornais locais não tem coragem de fazer.

Maria Eunice disse...

Obrigada, Flávio, pela generosidade de seu apoio. Em todo este episódio, temos o fato positivo da oportunidade de divulgar as funções e a legitimidade do Conselho de Patrimônio Cultural e de todos os Conselhos Municipais. E tornar bem claro, até mesmo pelo posicionamento do Prefeito em entrevistas posteriores, que a agressão à Ilha e Lagoa Paulino,com a obra ali realizada, é de inteira responsabilidade dele. Como conselheiros ou como políticos eleitos, temos todos uma atuação temporária e é, no mínimo, confortante agir de forma clara e coerente com princípios democráticos. Maria Eunice

ENIO EDUARDO disse...

Parabéns pelo texto Flávio. Mais que o texto em si, fica o exemplo de coerência da Maria Eunice. É meu amigo, é neste tipo de exemplo que temos que nos mirar para atuar politicamente na "sombria" Sete Lagoas. Temos muito que conversar e agir. Sete Lagoas precisa de pessoas com a sua clarividência. Abraços.

ENIO EDUARDO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Parabéns a Maria Eunice, (ética, coerente, corajosa). Declinar de homenagem prestada por este Governo deveria ser a tônica, pois o representante máximo dele não é digno do Poder que lhe foi confiado. Age de maneira autoritária e somente sua vontade tem de ser prevalecente, mas ainda ostenta certa força. Quando o desgaste minguar a força que ainda ostenta e o navio começar a afundar, os ratos serão os primeiros a sair. Vamos aguardar.