10 de dez de 2013

Decisão impensada direciona transporte de cargas para área ambiental - II

Continuando a discussão iniciada em postagem anterior, com o mesmo título, eu gostaria de comentar a colocação do prefeito Márcio Reinaldo, sobre o assunto em questão, em sua entrevista ao SETE DIAS. Logo no começo, o prefeito diz, textualmente:
NOVO ANEL VIÁRIO 
O anel rodoviário que sai da Iveco está totalmente estrangulado, passando pela região do CDI. A ideia do Governo de Minas é sair da MG-238 e seguir pela região norte da avenida Perimetral. O novo percurso passaria pela região dos bairros Mangabeiras, Jardim Arizona o que já necessitaria de várias adaptações. Perto do Shopping Sete Lagoas será outro problema de estrangulamento e teremos que partir para as hipóteses. Uma seria pegar a antiga estrada do pé da serra e sair próximo à sede da Polícia Rodoviária Federal. O problema é que esta é uma área de Controle Ambiental. Minha assessoria aconselhou que nesse caso não deveríamos usar asfalto e sim bloquete. A outra alternativa é passar pela avenida Otávio Campelo Ribeiro, um caminho mais complicado para os caminhões maiores. Temos que pensar bem o que vamos fazer, porque esta é uma necessidade.
Até o momento, eu estava entendendo que a ROTA DE CARGA PROPOSTA por ele utilizaria o sistema viário existente: ou seja, ou a opção Perimetral/Castelo Branco/040 ou a alternativa Perimetral/Otávio Campelo/040. Mas não é nada disso! A proposta do prefeito, destacada em negrito, é outra: ao que se depreende, ele está estudando abrir uma estrada nova [com "bloquete"] rasgando a Fazenda Arizona. Ora, não há outro caminho para sua descrição de "pegar uma antiga estrada do pé da serra", que está dentro de "uma área de controle ambiental" e que dá acesso direto "à sede da Polícia Rodoviária Federal" senão a que está ilustrada no mapa abaixo.

Francamente, o mundo está perdendo o juízo?! A ocupação dessa área por um condomínio residencial, o Boulevard Santa Helena, já foi motivo, recentemente, de uma polêmica tremenda; agora, levanta-se uma proposta ainda mais agressiva do ponto de vista urbano-ambiental?! Eu não acredito! E que história é essa de bloquete?! O prefeito deveria saber que uma via destinada a tráfego intenso de caminhões de carga precisa ter um nível de compactação tão alto que se torna praticamente impermeável, qualquer que seja o material de pavimentação utilizado. E essa decisão será tomada assim, sem um debate público?! A lei exige estudos de impacto ambiental e audiências públicas para projetos dessa natureza, especialmente dentro de uma APA. A lei ambiental não vale mais em Sete Lagoas?!

[Simulação da via descrita pelo prefeito Márcio Reinaldo no SETE DIAS]

5 comentários:

Anônimo disse...

O RAMON LASMAR ESTÁ OU NÃO NO GOVERNO MUNICIPAL?????????

Anônimo disse...

DIGO: RAMON LAMAR

Blog do Flávio de Castro disse...

Anônimo,

O que sei é que o Ramon é assessor do prefeito para assuntos ambientais.

Não sei dizer qual a sua posição nesse caso.

Por que você não faz contato direto com ele, através do seu perfil no Facebook?!

Ele pode lhe responder com mais propriedade.

Abs, Flávio

LEANDRO VIANA disse...

Hj a Fazenda Arizona, nas imediaçoes da Av Naçoes Unidas, está virando campo vasto para despejo de lixo e , principalmente, área de uso de drogas e encontro de dependentes quimicos e marginais. A coisa ta feia por essas bandas aqui Flavio. É um exemplo de area verde abandonada e mal aproveitada em todos os sentidos. Essa possibilidade "aventada" pelo prefeito traz preocupaçoes para os moradores dos bairros, pois o que já está ruim hj pode piorar muito em todos os aspectos. Antes um condominio q mantivesse um parque interno aberto ao publico com vigilia e controle, do que uma estrada de broquete rasgando a mata para circulaçao initerrupta de caminhao pesado. Minha opiniao como morador do Jardim Arizona.

Blog do Flávio de Castro disse...

Caro Leandro,

O fato é que ninguém nunca apresentou uma solução viável para a ocupação da área da Fazenda Arizona.

Em minha opinião, os seus proprietários perderam uma oportunidade de ouro com a proposta do Boulevard Santa Helena. Eles contavam com excelentes profissionais e o ambiente público de debate era muito bom. Às vezes tenso, mas muito bom. Se tivessem vindo com uma proposta equilibrada, que dosasse bem a relação entre condomínio e parque, tinham uma avenida pela frente. Mas como erraram a mão e preferiram apostar numa solução de muito condomínio e nenhum parque, geraram um terrível impasse. Ruim para todos!

O futuro que se vislumbra, agora, parece muito pior!

Abs, Flávio