7 de nov de 2013

Eus

Já fui tantos, tão diversos; assim, assado, tão desconexos.
Já pensei cafajestices, bizarrices, modernices.
Já vivi tantas épocas, momentos, tempos.
Já tive tantos sentimentos, pressentimentos, ressentimentos.
Já ouvi tantas músicas.
Já li tantos livros.
Já me apaixonei por coisas tão lindas, infindas.  
Já por outras, tão pérfidas, fétidas.
Já tive planos tão geniais.
Já me meti em desgraças tão boçais.
Já senti tanta alegria.
Já, também, tanta melancolia.
Já tive tantos gostos.
Já tive tantos rostos.
Já fui tantos eus. Certos e errantes eus.
Já até acreditei em Deus.

Ao fim, sinceramente, não sei se sou, hoje, mais um novo eu de mim.
Ou, permanentemente, se sou, desde o primeiro, o mesmo eu, enfim!

Um comentário:

Dalton disse...

belos fábios jrs!