6 de nov de 2013

Adivinhem quem ganhou o pregão da limpeza urbana?

[Imagem do Facebook do SETE DIAS]

Eu não tenho nenhum elemento para questionar a lisura do pregão. Não tenho nenhuma acusação a fazer. Só quero reconhecer um fato habitual: as empresas de limpeza entram nas cidades por contratos emergenciais, de curto prazo, e - as mesmas empresas - conseguem, curiosamente, se manter na execução dos serviços por contratos licitados, de longo prazo. Há pouco tempo, Márcio Pochmann afirmou que as empresas de limpeza urbana são umas das três forças capitalistas que decidem os destinos das cidades. Parece ter toda razão! Tanta razão que, hoje em dia, a ninguém coincidências assim causam qualquer estranheza...
Em seminário, em Porto Alegre, na semana passada, o ex-presidente do IPEA, Márcio Pochmann, afirmou que três forças políticas governam as cidades brasileiras: o capital da especulação imobiliária, o capital das empresas que operam o transporte público e o capital das empresas que operam os serviços de coleta e destinação do lixo. “A reinvenção das cidades pressupõe a construção de uma nova maioria política. Não existe futuro com esses três grupos”, concluiu ele. [Coluna Cidade Aberta, SETE DIAS, 30/08/2013]

3 comentários:

Anônimo disse...

Flávio, como provar a gente não tem, mas "à boca pequena" já diziam que a Vina ganharia, isto com certeza foi carta marcada. Porque eu não sei, mas dizem que tem filho de político antigo da cidade que tá rindo a toa.

Blog do Flávio de Castro disse...

Anônimo,

Pois é, tudo muito enigmático ou nada enigmático.

Anônimo disse...

Um esquema existe, e é poderoso. Tanto que a Via Solo, que antes operava a coleta, sequer participou do pregão. Parece que existe algo arquitetado nos meandros do Poder Político e Econômico, que outro Poder, o Judiciário, com ajuda do Ministério Público poderiam averiguar. Se fizerem, vira escândalo.