14 de set de 2013

Seminário de Desenvolvimento

A Prefeitura de Sete Lagoas, através da SMDET, realizou, em momento muito oportuno, o Seminário Regional de Desenvolvimento Econômico e Turismo, no auditório do UNIFEMM, na quinta, dia 12. Ainda que eu só tenha tido oportunidade de acompanhar a programação na parte da manhã, eu gostaria de destacar duas falas: a do reitor do UNIFEMM, Dr. Antônio Bahia, sobre a proposta de Centro de Desenvolvimento Regional - CDR, que eu assisti; e a do subsecretário da SEDE/MG Dr. Luiz Antônio Athayde, que eu não assisti, mas cujo conteúdo, em tese, eu conheço.


Na sua apresentação, o reitor do UNIFEMM fez uma leitura crítica do nosso processo de desenvolvimento e propôs a sua reconfiguração com duas premissas: a da retenção interna de ganhos e a da desconcentração econômica. Nesse contexto, lançou a ideia do Centro de Desenvolvimento apoiada em quatro pilares: o do conhecimento, o da rede de relacionamento, o da inovação e o do empreendedorismo. Como eu tenho tido a oportunidade de participar dessa formulação, eu vou fazer uma postagem específica sobre esse tema.

Embora eu não tenha assistido à sua palestra, Athayde abordou um assunto atualíssimo: as "vantagens e oportunidades da localização estratégica de Sete Lagoas", imagino eu, vinculando-a, em especial, ao projeto do Vetor Norte da RMBH, que é a praia dele. Segundo ouvi falar, ele fez uma colocação que me parece inteiramente verdadeira: a de que Sete Lagoas vive um momento incomum para promover sua reorientação econômica, na direção de tornar-se uma 'Campinas mineira'. Ou seja, aquela história do 'cavalo arreado'... 

Numa próxima postagem sobre o CDR-UNIFEMM, eu vou detalhar a visão de região apresentada pelo Dr. Bahia [que inclui a relação de Sete Lagoas com a RMBH], relacionando-a com a fala do subsecretário da SEDE/MG.

--o--

Constrangedor! A oportuníssima realização do Seminário foi marcada, indevidamente, pelo caráter partidário que lhe foi atribuído. Sinceramente, eu nunca vi um ato de governo carregar junto uma marca de partido. Mesmo porque, até onde sei, isso é ilegal. No entanto, o convite do Seminário trouxe a marca do partido do prefeito, o Partido Progressista, e da sua Fundação Milton Campos; o material entregue aos inscritos, na entrada, era totalmente partidário; e o evento foi aberto com um vídeo da senadora Ana Amélia, presidente da Fundação, dirigido aos 'progressistas' e tratando o evento, impropriamente, como sendo de 'formação política'. Constrangedor!

Nenhum comentário: