14 de set de 2013

Entre o inútil e o útil

No Seminário Regional de Desenvolvimento Econômico e Turismo, realizado pela Prefeitura, no dia 12, o prefeito de Sete Lagoas confidenciou que aplicava em nossa cidade o método de administração VTP recomendado a ele pelo ex-prefeito da cidade gaúcha de Gramado, também presente ao evento. Segundo ele, o método VTP significava Vassoura, Tinta e Pincel e tinha a ver com a ideia de manter a cidade limpa com meios-fios pintados. Coincidentemente, esse comentário tinha relação direta com o artigo da coluna Cidade Aberta que eu já havia escrito e enviado ao SETE DIAS para a edição do dia 13. Pensei: eu seria, então, contra o tal VTP?! Nunca! Que bom que, enfim, se levava a sério o clamor dos sete-lagoanos por uma cidade bem cuidada, não é mesmo?! Mas, pensando bem, ainda assim, não tiraria uma vírgula do artigo. É que, no próprio seminário, vi que há VTPs e VTPs. Logo após a fala do nosso prefeito, na sua palestra, o ex-prefeito Pedro Bertolucci apresentou a sua cidade de Gramado e, quando falou do seu VTP, mostrou foto de uma avenida de 3 quilômetros, belíssima, urbanizadíssima, limpíssima em que o que de fato se destacava não era a pintura de meios-fios coisa nenhuma, mas a pintura de inúmeras faixas de pedestre. Ou seja, entre fazer e fazer melhor, vê-se que há VTPs e VTPs melhores. Concluindo: a boa manutenção de vias é sim muito bem-vinda, mas não muda nada se não se melhora o padrão geral de urbanização! Esse é o ponto. 

Nenhum comentário: