4 de jun de 2013

Pra quê isso?!

Há algo um tanto estranho no ar. Um caso de desvio de conduta, sim, grave, sim, mas nem por isso uma coisa de outro mundo - como a velha denúncia de que servidores públicos batem ponto uns para outros – é mesmo motivo de estardalhaço como está se fazendo [AQUI]?! Ora, isso é assunto para apuração e punição administrativa, sim, é assunto para constante controle, sim, mas não para exposição maliciosa dos servidores municipais, indistintamente. Isso só faz reforçar a impressão de que há uma campanha orquestrada da atual administração contra eles. Se admitimos que não há boa gestão pública sem servidores prestigiados, fica a dúvida: pra quê isso?!

O governo atual começou ofertando cursos de capacitação para alguns servidores, o que pareceu ser um início de valorização da categoria. Isso seria justificável mesmo porque o prefeito é um servidor, não municipal, mas um servidor de carreira. No entanto, a esse primeiro movimento sucedeu uma avalanche de outros, todos em sentido contrário.

Primeiro deu-se a divulgação, no Portal de Transparência, dos salários nominais dos funcionários concursados e nomeados da Prefeitura. Errado? Não necessariamente. Eu, particularmente, sou favorável, mas acho que a forma precisa ser adequada ao contexto local. Fez-se isso, aqui, de forma escancarada, sob o pretexto de que era um requisito de transparência. Mas curiosamente, nenhuma outra informação de receita, despesa e diária – todas legalmente exigidas – foi publicada, até hoje. Depois o pretexto foi de que se desejava expor os salários dos marajás. Mas para que expô-los sem uma ação concreta de corte dos mesmos? Ou seja, na verdade, ao se expor os altos salários o que se conseguiu, efetivamente, foi valorizar os seus beneficiários e constranger a grande maioria, nominalmente, que recebe salários bastante baixos.

A seguir veio uma declaração creditada ao próprio prefeito de que ele não teria compromisso com o funcionalismo, mas com o cidadão sete-lagoano; como se uma coisa confrontasse a outra. Ora, são coisas complementares: o compromisso com o cidadão passa, obrigatoriamente, pela melhoria dos serviços públicos, o que requer a valorização do funcionalismo. Ou não?!

Adiante vieram os Projetos de Lei Delegada, com a criação de mais de 100 cargos a um custo anual que se aproxima de R$ 4 mi. Com relação ao servidor, esses projetos tiveram dois efeitos perversos. Um, desmontou o argumento usado pela administração, quando da discussão do aumento salarial, da falta de limites orçamentários e de recursos financeiros para qualquer aventura. Outro, objetivamente, reduziu a capacidade futura do governo de implantar uma política de aumentos salariais, ao privilegiar, por princípio, os cargos de livre nomeação.

Antes, houve uma sucessão de cortes de vantagens salariais – que devem ser, sim, cortadas, desde que comprovadamente ilegais – mas sem o prévio conhecimento e a prévia defesa dos servidores, teoricamente, prejudicados.

Agora, vem essa exposição pública gratuita de um assunto meramente administrativo.

Francamente: pra quê isso?

5 comentários:

Anônimo disse...

Flávio


Tudo muito estranho mesmo. A prefeitura pagou mês passado em folha complementar o acumulado referente ao aumento de 6% à partir de janela. Além de emitir uma folha de pagamento referente ao valor pago, contabilizou também na folha do mês estornando em seguida. O que aconteceu? Adivinhem? O valor somado ao salário incidiu no imposto de renda descontando uma boa parcela do salário.Por tudo isto e mais outras cositas o funcionalismo público esta "amando" o alcaide.

Anônimo disse...

Corrigindo acima: onde se a partir de janela é a partir de janeiro.

Blog do Flávio de Castro disse...

Anônimo, eu tento entender o que se passa com a maior isenção possível, mas não consigo. Veja: como pode haver disponibilidade financeira para os novos cargos criados e não haver, no mesmo caixa, para concluir o pagamento do 13º do funcionalismo [que segue a passos de tartaruga] e do acerto rescisório dos contratados [sequer programado]?!

Anônimo disse...

Gostaria que voce postasse no facebook esta publicaçao. Mais pessoas poderao ler.

Anônimo disse...

Existe sim uma campanha orquestrada da atual administração contra os servidores.