28 de jun de 2013

'Cidade Aberta'

[Consciência invisível]

Eu sei que qualquer comentário sobre as manifestações não duram 24 horas. Mas o meu próprio humor sobre elas também não tem durado 24 horas e tem oscilado, o tempo todo, entre o ânimo e o desânimo. Nas últimas horas, o que anda me pondo pra pensar é a respeito de como, em meio a tantas divergências, tanto sectarismo, vamos alcançar um mínimo de entendimento negociável. Se, quando a situação propõe uma coisa, a oposição faz questão de defender o oposto; se, após sentarem-se com a presidente e mostrarem-se cordatos, os mesmos políticos, dois segundos depois, cruzam os braços; se qualquer tema defendido na internet, imediatamente, se partidariza, de onde mesmo virá o consenso?! Esse é o tema da coluna Cidade Aberta, no SETE DIAS, cuja versão digital pode ser lida AQUI.

6 comentários:

Zeca Dias Amaral disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Blog do Flávio de Castro disse...

Zeca, desculpe-me ter apagado seu comentário. É que, como disse um amigo meu, eu me interesso muito por discussões em que eu posso aprender alguma coisa; ataques irônicos sem argumentos podem até ser mais verdadeiros do que os meus 'ditos', mas não me servem pra nada.

LEANDRO VIANA disse...

A Dilma quer convocar um plebiscito q vai custar R$ 500 milhoes sem incluir a continuidade da reeleiçao ao crivo popular. Nao é atoa q o barco està afundando. Navega sem plumo.

Zeca Dias Amaral disse...

Olá,

pelo menos mande-me uma cópia do comentário que fiz pra que eu guarde. Gastei muito tempo escolhendo as palavras pra não parecer irônico nem didático. E ele estava bom. Fica registrado o elogio pela lucidez da coluna da semana anterior e a cegueira (obtusidade córnea, vou ficar com esta parte) da coluna desta semana. Era só isso.

Nem abs vc vai levar, pela grosseria da censura.

Blog do Flávio de Castro disse...

Leandro, se for para fazer, uma até agora impossível, reforma política, não sei se R$500 mi é muito ou pouco. Não sei se procede essa sua informação de que ela irá tirar o fim da reeleição da pauta; mesmo porque quem inventou a reeleição não foi ela, não foi o partido dela, mas exatamente o principal partido que lhe faz oposição. 'Barco afundando' é um expressão muito radicalizada; vamos voltar a esse tema após baixar a poeira, OK?! Segundo o Luis Nassif, a Folha foi parcial ao indicar apenas a queda de avaliação da Dilma; ainda segundo ele, a queda foi geral para todos os partidos e governantes. O que vai ao encontro do que disse o Marcos Coimbra, na Carta Capital: "Depois, é claro, de um ano de ataque da mídia conservadora ao governo. Seus estrategistas acharam que conseguiriam, através de incursões cirúrgicas, eliminar somente as lideranças do PT. O que fizeram foi ferir valores fundamentais da democracia"...

LEANDRO VIANA disse...

Flavio, o problema q estou vendo é a escolha das perguntas nesse plebiscito. Isso deveria ser debatido com sociedade antes e nao virem com o "angu" pronto. A reforma deve ser ampla. Vi uma entrevista no Estadao ontem da Marina e concordo com ela nesse quesito.