3 de mai de 2013

'Cidade Aberta'

Medo por medo

Cada dia eu me convenço mais de que medidas incrementais, passo a passo, pouco a pouco; de que medidas convencionais, 'mais do mesmo', triviais, definitivamente, não dão conta de nossos principais problemas urbanos. Não dão conta da saúde, da violência, da educação, da mobilidade, do trânsito, do meio ambiente, da inclusão. Drenam os recursos públicos e não mudam nada na realidade. Cada dia eu me convenço mais de que, para grande parte de nossos problemas, precisamos de saltos, de ruptura, de ousadia e de inovação. Para refletir sobre isso eu trouxe à cena dois ex-prefeitos colombianos, Antanas Mockus e Sergio Fajardo, que ousaram e mudaram Bogotá e Medelín. Leiam a coluna Cidade Aberta, no SETE DIAS. O jornal está nas bancas, a coluna pode ser lida AQUI.

3 comentários:

A. Claret disse...

Boa madrugada a tod@s,

Flavio,

os cientistas normalmente sao caracterizados pelo seu pouco sentido pratico. O exito administrativo destes dois deve estar ligado a honestidade e a inteligencia e a absoluta falta de ligaçao com a politica tradicional. Nao estavam contaminados. Alias, na minha opiniao, qualquer pessoa, de qualquer condiçao pode fazer um trabalho igualmente eficiente. O unico requisito e' que nao sejam politicos profissionais. Estes sao os vampiros da democracia.

Blog do Flávio de Castro disse...

Claret,

Eu concordo com essa tese: a de que Mockus e Fajardo só fizeram o que fizeram porque não eram políticos tradicionais. Podem até ter se tornado depois; até então não eram. Penso que os propósitos, os métodos são diferentes, exatamente, por isso. Os políticos tradicionais, se pensam a cidade, só a pensam pela lente distorcida de seus óculos: o da auto-sobrevivência, do ganho político, da próxima urna. Ninguém suporta isso mais...

Abração, Flávio

Anônimo disse...

A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE SETE LAGOAS SOFRE ANOS COM ESSE TIPO DE POLÍTICO. NA ATUAL ADMINISTRAÇÃO O PREFEITO APADRINHANDO SEUS ASSESSORES DE GABINETE EM BRASILIA, TROUXE O GIL ROSA, PARA REVOLUCIONAR A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA PREFEITURA, NA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO. NÃO ACONTECEU NADA. ELE JA TA DE MALAS PRONTAS DE VOLTA PRO SEU ACONCHEGO. DEIXANDO AQUI UM SISTEMA FRACO, INOPERANTE E QUE NÃO TEM NADA DE GRATUITO ( O TAL DO E- CIDADE), ELE SO CONSEGUIU IMPLANTAR UMA NOTA FISCAL ELETRONICA DE SERVIÇOS QUE NÃO ATENDE AOS CONTRIBUINTES E CERTAMENTE IRÁ CONTRIBUIR PARA A QUEDA DA ARRECADAÇÃO PROPRIA. SETE LAGOAS TEM QUE ACORDAR , GRITAR ....POIS ESTAMOS MUITO MAL.