17 de abr de 2013

Diário da Queda

Eu falei na última postagem sobre Isaac Bashevis Singer. Singer é daqueles escritores que preservam milimetricamente suas tradições judaicas e é delas que ele extrai sua obra. Esse tema do judaísmo, mesmo entre escritores judeus ou de ascendência judaica, divide opiniões. Há sempre um contra ou a favor. De forma mais geral, a situação é mais polarizada ainda, mesmo na literatura, entre semitismo e anti-semitismo. A propósito disso, eu lembrei-me da recente leitura de um livro interessantíssimo: Diário da Queda [Michel Laub, Editora Companhia das Letras, 152 págs., R$35]. É curioso como um livro que repete milhares de vezes a palavra Auschwitz consegue equilibrar-se tão bem entre esses extremos. Em um momento, você tem certeza que Laub está numa ponta para, em seguida, vê-lo na oposta. Nessa oscilação entre lá e cá, ele acaba fazendo emergir o preconceito e a solidariedade, a tolerância e a intolerância, a vida e a morte, essas trivialidades humanas presentes tanto de um lado quanto do outro. Fica a dica.

Leiam AQUI  o primeiro capítulo e AQUI a apresentação pela editora.

2 comentários:

Anônimo disse...

Prefeito envia projeto de lei criando subprefeituras e como consequencia mais de 50 cargos com altos salarios na Secretaria de Planejamento e Obras. Gostaria de ver um debate sobre este assunto.

Blog do Flávio de Castro disse...

Anônimo, seria tão bom se você pudesse se identificar para termos um debate franco, não?! Todavia, como eu tenho uma opinião sobre esse tema - não de agora - eu vou, no final de semana, colocá-la aqui para, se outros frequentadores deste blog se dispuserem, reunirmos pontos de vista diversos a respeito...