2 de dez de 2012

A escada de Fux

[Fux, o alpinista]

Enganamo-nos todos os que achamos que o acesso a ministro do STF dá-se por mérito e apenas mérito. Que o cara está lá dando duro no trabalho, despretensioso, ou em casa, sapientemente, sentado sobre o seu vasto currículo de jurista, quando é surpreendido por um telefonema presidencial que lhe informa ter sido ele, justamente ele, por merecida razão, escolhido novo ministro do STF. Qual o quê! O ministro Fux acaba de mostrar que os caminhos são um tanto mais mundanos. No caso dele, foi uma verdadeira escalada. Um lobbismo de pior espécie: ele 'colou no pé' de Delfim Neto; como ministro do STJ, votou a favor do governo e, em seguida, foi atrás de Palocci; foi ao Zé Dirceu [que, naquela altura, já era réu no Supremo]; fez uma conciliação em um confronto com o MST e correu atrás do Stedile; e por aí afora. Vergonhoso.

A dúvida que fica é se o caminho que leva ao STF, não apenas para o guitarrista Fux, mas para todos os demais ministros, é sempre o mesmo. Se é sempre pelos becos dos fundos e nunca pela avenida da frente...

[Foto das págs. A10 e A11, da FSP. Cliquem para ampliar]

O assunto está na Folha, deste domingo...

2 comentários:

ENIO EDUARDO disse...

Flávio, li a entrevista do FUX. Ele revelou, aquilo que na realidade sabemos. Toda ascensão em nosso país segue a mais tradicional ideologia patrimonialista. Acontece assim desde que Cabral por aqui aportou. Lembra-se do final da Carta do Pero Vaz Caminha?

As coisas porque aqui ainda caminham de acordo com o Patrimonialismo. Meritocracia??? Onde? Quando? Como?

Para aliviar, me diz aí Flávio, quanto ficou o jogão entre o Galo e a Raposa hoje?

hehehe!!!

Blog do Flávio de Castro disse...

Que isso, Enio?! O Brasileirão acabou há três rodadas...