10 de out de 2012

Eleições II: BH ['agora haverá oposição']


Amizades a parte, a minha opinião é de que a vitória de Patrus em Belo Horizonte faria bem à democracia brasileira. Nisso eu sigo uma pessoa por quem não nutro nenhuma simpatia política: Aécio Neves. O senador mineiro tem elevado o tom de seu discurso - coisa que evitou fazer contra Lula, enquanto ele, Aécio, era governador de Minas -, exatamente, para disputar, agora, o papel de liderança da oposição nacional. Mas aquilo que ele explicita fora, no cenário nacional, ele esforça-se por atrofiar no seu 'reduto' mineiro. Coisas do jogo político. Diferente do governo nacional, que enfrenta, por exemplo, um duro embate da imprensa; aqui, o governo estadual tem sob sua tutela, todos os órgãos de imprensa, o Judiciário, as lideranças empresariais e a quase totalidade do mundo político. Uma blitz! Uma blitz que acabou intimidando até mesmo a oposição potencial por alguns arranjos, o principal deles o acordo, em 2008, em torno de Márcio Lacerda. Lacerda é expressamente aecista, sempre integrou o projeto Aécio/2014 e a aliança com forças oposicionistas estaduais gerou um imobilismo para essas e uma perspectiva de avanço considerável apenas para o lado situacionista. A ruptura era natural e necessária. Se há projetos distintos é essencial que eles se explicitem e se confrontem. Sobretudo, que eles sejam capazes de afirmar seus propósitos e diferenças para a população para que ela reaja ativamente a esse processo democrático. A ruptura que ocorreu poderia não ter efeito no quadro político. Mas a liderança dessa ruptura por uma pessoa da estatura ética e política dá outro contorno à questão. Patrus sai dessa eleição como a liderança da oposição em Belo Horizonte e em Minas Gerais.


“Na vida pública , a vitória política nem sempre se confunde ou se encontra com vitórias eleitorais. Primeiro, unimos em BH o PT. Segundo, unimos forças de centro-esquerda. Foi uma aliança em prol do povo de BH. Esta é uma linha divisória em Minas”.
[Patrus, 07/10/12]

13 comentários:

Anônimo disse...

No programa do PT somente tem Bolsa Família que é sinônimo de compra de votos e corrupção!

Blog do Flávio de Castro disse...

Anônimo, ignorância mata. O Bolsa Família é uma referência internacional. Leia a respeito, a opinião e os estudos de instituições mais conhecedoras do tema do que você, como o Banco Mundial, o IABD, a FGV e o IPEA...

Zeca Dias Amaral disse...

olá,

putz, nem sei o que dizer. Falta-me fígado pra competir. Justo tu, que me acusava de, vem se lamentar por. Ah... Vai te...

Blog do Flávio de Castro disse...

Zeca, ainda bem que você não sabe o que dizer...

Zeca Dias Amaral disse...

kkkkk

Brenno Frank disse...

Flavio tenho grande admiracao pela a sua pessoa e seu trabalho na gestao publica e do Patrus , porem e muito dificil hoje votar em candidatos do PT devido este escandulo de compras de votos ...

Desejo ver Patrus novamente como representante do povo , mas nao do PT

Anônimo disse...

Com a "moral" que o PT está no momento, o Patrus não faz oposição nem em condomínio de prédio!

Blog do Flávio de Castro disse...

Breno e anônimo,

Não vou fazer a defesa do PT. O julgamento moral está posto para além das decisões do STF. No entanto, e apesar disso, o PT está saindo vitorioso dessas eleições, especialmente em Minas. O impacto do 'mensalão' tem se mostrado menor do que o esperado, mesmo pelas pessoas mais racionais. A questão está em saber se o julgamento em curso julga o partido como um todo e todos os seus membros ou não. E a mesma questão estará posta se e quando houver o julgamento do mensalão mineiro, com relação ao PSDB, e o do DF, com relação ao DEM. Vamos aguardar os fatos...

Anônimo disse...

Realmente o julgamento deveria ir além do STF, assim pegaria o Molusco!

ENIO EDUARDO disse...

Flávio me desculpe, mas a opinião do Breno e a do anônimo perpassa por uma visão tosca sobre o PT e sua importância histórica para a democracia brasileira.

Uma coisa é a ação política de alguns membros e dirigentes partidários. O STF não julgou a história do Dirceu e a do Genoíno por exemplo. Eles escreveram uma linda e sofrida história de luta contra a Ditadura Militar.

O STF julgou suas atitudes depois que eles se tornaram poder. Infelizmente foram eles mesmo que emporcalharam suas biografias.

Agora, creditar tudo isto ao PT, não é nem um pouco racional, isto é figadal. As pessoas têm direito de gostarem ou não do PT, gostarem ou não do PSDB, mas creditar todas as responsabilidades sobre uma organização partidária, não é justo para com seus filiados e simpatizantes.

Tem muita gente boa que construiu uma história bonita no PT. Com certeza o Patrus é uma dessas pessoas, o Lula sem dúvidas é outra pessoa. Doa a quem doer, há muitos personagens da vida nacional que escreveram uma linda história no PT. Acho que tanto o Breno e o Anônimo deveriam refletir sobre isto.

Seria no mínimo ter maturidade diante dos acontecimentos contemporâneos.

Forte Abraço,

Enio.

A. Claret disse...

Bom dia a tod@s,

em minha opiniao, a politica carrega consigo o virus da corrupçao. Para evita-la, os gregos inventaram
o ostracismo e os romanos, mais latinos e teatrais, encarregavam a uma pessoa que ia
dizendo ao imperador vitorioso: recorda! Nao es mais que um ser humano!
Sabiam da doença e tambem do remedio mas nao usavam a profilaxia.

O que esta' acontecendo com o PT passou tambem com outros partidos na Europa; sem ir mais
longe, com o Partido Socialista Obrero Espanhol. Hoje, este tem de tudo, menos de obrero.
Morreu de exito!

Os outrora lutadores
pela democracia, igualdade etc que se caracterizavam pela idoneidade, agora estao na berlinda.
Lembro-me que uma vez escrevi aqui sobre a interaçao entre observador/observado em Fisica e
tentei encontrar um paralelo com a Etologia. Recorro agora
a Biologia. Os seres humanos convivemos com bacterias. Algumas sao beneficiosas, outras
nao. E o simples fato de viver supoe um risco. Obviamente, hoje ha' tratamentos
eficazes para tais doenças mas o melhor para evitar as enfermidades, em minha opiniao, continua
sendo a profilaxia. Alguns pensam que a Natureza esta' em permanente equilibrio. Isso nao e' verdade. Se
fosse assim, nao haveria evoluçao. Mutatis mutandis, os politicos tambem pensam que a politica
se encontra em um estado de equilibrio. Isso sim que e' verdade! Mas a palavra equilibrio aqui
nao tem a conotaçao positiva que deveria ter; equilibrio politico significa estagnaçao. E
portanto, a estrutura do poder e dos partidos politicos nao evoluem. E pior que isso, criaram um escudo protetor que impede
as mudanças. Me permito usar os versos de J. Cabral de Mello Neto: "ver a fábrica que ela mesma,
teimosamente, se fabrica".

um abraço e feliz dia das crianças aos que ainda continuam sendo tais

Quin Drummond disse...

Flávio

Muito me preocupa o momento político em nosso Brasil. Primeiro que, não é apenas militantes do Partido dos Trabalhadores que estão ao banco dos réus. Preconceito da mídia e de pessoas é tamanha que coloca sob os holofotes apenas quem construiu em banho de sangue a democracia. Quem imaculou este processo? Partidos ou pessoas? Quem pode jogar pedras neste momento? A minha preocupação é quem a turba raivosa, inescrupulosa, direitista, bandida, tanto do congresso quanto duns gatos pingados alvoraçados por aí façam deste episódio motivos para festas em seus galinheiros ou torcida para o retorno do conservadorismo de direita. Se de um lado comemoram a condenação de petistas vamos começar agora dar nomes de quem originou aqui em Minas este jeitinho de fazer "política". Uma observação: nunca foi filiado ao PT, mas tenho admiração por todas estas pessoas que lutaram por um país democrático. VAMOS COLOCAR TODOS SEM EXCEÇÃO NO BANCO DOS RÉUS. Espero não sobrar uma única pena.

Blog do Flávio de Castro disse...

Queridos, Enio, Claret e Quin, a lucidez do que vocês disseram me obriga a retomar esse assunto em uma nova postagem...