19 de abr de 2012

A CPMI do submundo

Começou com o Demóstenes no alvo, depois, também o Perillo, adiante, ainda o Agnelo. Pareceu que seria a CPMI do mensalão do Centro-Oeste. Mas como o Carlinhos Cachoeira é um verdadeiro call center a coisa foi ampliando até chegar na Delta. Pegar empreiteira é encontrar um baú. O risco de se encontrar uma bomba dentro é enorme. Mas se for uma bomba de estilhaço, daquelas que atinge gregos e troianos, o efeito é nenhum. Aquela história: numa roda, se todo mundo está armado, focando seu adversário, por outro lado, todo mundo está também exposto a tomar bala. Ou seja,  essa CPMI vai ser tão ou mais explosiva do que a do mensalão ou vai se tornar uma guerra-fria, se imobilizar e contemporizar. Já ouvi de tudo. Uma história é que o Carlos Augusto Ramos tem um ego e tanto e, para início de conversa, odeia ser chamado de bicheiro; não se vê como tal, como contraventor, ou como bandido. E vai querer lavar sua honra. Se tomar esse caminho será um Deus-nos-acuda. Outro papo tem a ver com as aventadas relações entre os arapongas de Cachoeira e a revista Veja. Nesse caso, dizem que o Roberto Jefferson só abriu o bico e delatou o tal esquema do mensalão porque achou que quem pegou a turma do PTB, nos Correios, tinha sido o José Dirceu e decidiu ir à forra. Vê-se, agora, que foi coisa do Cachoeira, amigo do Demóstenes e de meio mundo. Se essa arapongagem for posta na vitrine pode ser que venhamos a conhecer como, no submundo da política e dos interesses corporativos, todos os caminhos levam a 'Roma'. Aí, vão aparecer romanos até de olhos puxados, de todas as etnias partidárias. Não duvido de nada! A propósito, a coisa mais engraçada e reveladora do mundo anda sendo a capa semanal da Veja. No auge das escutas flagrando Demóstenes, ela veio com uma capa sobre sexo dos anjos. Nessa semana, ela ignorou o telefone giratório de Cachoeira e insistiu em estampar, de novo, o assunto do mensalão. Diversionismo exagerado é uma forma de auto-delação... Pois é. O que interessa mesmo é que, com assinatura de 337 deputados e 72 senadores, a CPMI do Cachoeira foi aberta hoje. Senhores e senhoras: o jogo começou! O difícil, por ora, é saber se será um jogo de pôquer, cheio de blefes e muito barulho, ou um jogo de xadrez, totalmente cerebral e silencioso.

Um comentário:

Zeca Dias Amaral disse...

Olá,
Poquer ou xadrez? Nem um nem outro; vai ser um jogo de fedor.
Abs