4 de abr de 2012

Caio, o breve


Surpreendente a notícia de que Caio Valace deixou a Secretaria de Trânsito. Quem conhece Caio sabe que ele não viria para o governo a passeio. Mesmo não sendo da área de trânsito e transporte, chegou e sinalizou que ia pôr pra quebrar: interviu nas ruas Dr. José Duarte Paiva e Benedito Valadares; fez apreensão de alternativos irregulares; deu pinta que ia se meter nessa coisa mal resolvida do transporte público, com nova licitação do sistema; e de que ia, em razão da ininteligível construção da tal estação de transbordo [que até ganhou o apelido da 'Estação do Caio'] - com o que não tinha, originalmente, nada a ver-, por o dedo na ferida do trânsito da área central. De repente, saiu sem quê nem por quê?

A justificativa, de que estava se antecipando ao calendário eleitoral, não é crível: o que fez, objetivamente, é pouco perto da expectativa que criou. Intervir em duas vias tem mais importância como sinalização do porvir, do que como fato em si. Em si, não é nada. Para quem já declarou ter pretensões políticas, realizar mais e deixar uma marca mais nítida nessa área frágil da administração municipal, há anos, seria fundamental, sobretudo, em tempos eleitorais. Por que, então, abandonar o barco se poderia mostrar serviço até junho, ou até quatro meses antes do pleito?

Quem conhece Caio sabe que ele não é de levar desaforo pra casa. A desculpa cumpre seu papel, mas é esfarrapada. Acredito muito mais que ele não tenha gostado nada do prefeito ter recuado e lhe deixado exposto, no caso do trânsito em torno da Catedral...

... ou será que Caio pretende se candidatar em oposição ao governo a que servia e precisa de mais tempo para se reposicionar, sem dar motivos a críticas de oportunismo?

16 comentários:

Anônimo disse...

Flávio, claro que o Sr. Prefeito não aguentava mais suportar a choradeira das pessoas quanto as mudanças do ex-secretário Caio.

A choradeira do Padre Adelino foi a gota d'água, o Prefeito não aguentou e desautorizou o secretário.

Mas o Caio Valace se colocou sim, à disposição como alternativa de candidatura a Prefeito. Ele antecipou sua saída, porque senão o próprio prefeito iria tratar de desmoralizá-lo ainda mais.

É mais ou menos o que o Prefeito fez com o Sr.

Agora, se o Caio for candidato a Prefeito, a última pessoa que ele pode querer em seu palanque é o Sr. Maroca Prefeito.

Este sim, está igual zumbi. Ninguém conhece, ninguém quer como apoio.

Ramon Lamar disse...

Caio,
parabéns pela sua postura enquanto Secretário de Trânsito.
Aquele abraço.

Anônimo disse...

O prazo para sair do cargo e candidatar não é de seis meses? Então ele tinha de sair mesmo.

rogerio disse...

Sem fazer trocadilho, "mais um que deu murro em ponta de faca nesse governo"
Conheço o Caio do começo de concientização politica e acho que ele preferiu sair do que fazer o joguinho do cenario atual.

Abraço Flavio

Blog do Flávio de Castro disse...

Rogério e Ramon, de pleno acordo. O Caio prometia e deve ter tido razões para sair. Prefiro acreditar que tenha saído por divergências com o prefeito a acreditar que foi por razões políticas pessoais, antes da hora. No primeiro caso, acho que é um fato intransponível: se ele não estava podendo exercer o cargo em plenitude, a saída é aceitável e digna. No outro caso, acho que ele frustra a expectativa que ele próprio estimulou. Aí acho inaceitável. Acho que devia ter ficado até junho e avançar mais nos seus projetos.

Abs, Flávio

Blog do Flávio de Castro disse...

Primeiro anônimo, concordo com a sua análise.

Blog do Flávio de Castro disse...

Segundo anônimo, o prazo de desincompatibilização depende de dois fatores: do cargo que você ocupa e do cargo a que você deseja se candidatar. No caso do Caio [secretário municipal], para candidatura a prefeito ou vice, o prazo é de 4 meses. No caso de outro secretário que queira se candidatar a vereador, aí, sim, são 6 meses. O TRE-SP tem uma tabela esclarecedora sobre isso: http://www.tre-sp.gov.br/legislacao/desincompatibilizacao/2012.pdf

Frederico Dantas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Frederico Dantas disse...

Veio, interveio. Viu, saiu; caiu? Mais um que frigiu.

Zeca Dias Amaral disse...

Olá,
o tal nadab tb já avisou que está fora do barco.

Pelo ritmo da coisa, periga faltar até água pra afundar o barco.

Abs.

Blog do Flávio de Castro disse...

Zeca,

Era óbvio que o Nadab sairia candidato. Ele fez uma coisa inteligente: enquanto o governo a que ele pertence, ou pertencia, afundava, ele fez de sua secretaria uma ilha da fantasia com o tal governo itinerante, os projetos para juventude etc. Eram projetos pessoais: o governo não ganhou nada com isso, Maroca não se beneficiou em nada disso, mas ele teve a vitrine que precisava. É legítimo que saia candidato...

Quanto ao governo, precisava ter chegado às vésperas da eleição numa situação minimamente confortável para dar conta das naturais turbulências. Não conseguiu. Corre o risco de ter um final melancólico. Ou como você disse: de faltar água até para afundar o barco. Ruim isso!

Anônimo disse...

E O POVO?

Olha Sete Lagoas ta mal de políticos. Eles so pensam e si mesmos, o povo é um detalhe. Discordo de muitas colocações aqui.
1) Secretário é para executar plano de Governo, portanto se o Sr Caio entende que o Patrimonio Historico não é importante a ponto de abrir novamente o transito naquela região, acredito que Maroca acertadamente discordou, pois naquela região está os únicos patrimonios historicos de nossa terra.

2)Acredito que não vai faltar agua, para o barco afundar , pois não entendo que o Governo de Maroca foi tão ruim assim e se foi teve a participação de muitos e ainda têm a participação de muitos.

3)Maroca inaugurou um novo tempo sim , para a saúde, para os servidores, para o povo que teve voz em seu Governo. O Setelagoano aprendeu a reclamar, a ver tudo que os ex-governantes deixaram de pessimo e quanto isso irá custar para os Setelagoanos.

4) Acredito sim, o governo de Maroca foi ruim para aqueles que estavam acostumados a mandar, ser autoritarios, ditadores.

5) Acredito que o barco não irá afundar pois tenho a certeza que o novo tempo virá sim, onde políticos acostumados com a "Lei de Gerson" não terão vez, pois agora estamos mal acostumados, apredemos a reclamar de todos e de tudo que estiver contrario aos interesses do povo.

6) Acredito que Setelagoas não se curvará para políticos corruptos.

Obrigado Maroca, pela sua grande obra, ou seja, ter ensinado ao povo que a Prefeitura é do povo e o povo pode e tem o direito de se expressar , como todos tiveram oportunidade de expressar contrario ou favorável às suas ações, Parabens e tomara Deus que assim como o povo aprendeu a se expressar, saiba também escolher os canditados, por que não os pré candidatos. So assim teremos uma SeteLagoas melhor para nós Setelagoanos.

Anônimo disse...

Parece-me que a ilha da fantasia nao contaminou apenas o Nadab.

LEANDRO VIANA disse...

Flávio, desculpe a franqueza, mas não acredito nesta "picuinha" que tentam criar entre o ex-secretário e o prefeito frente a indefinição da liberação do trânsito nas proximidades da catedral.

Parabéns ao Caio Valace que fez uma gestão ousada, apesar de curta: implementou mudanças no transito da cidade e enfrentou os infratores. Para isso, é evidente que contou com o apóio do prefeito.

Está claro que Caio Valace está saindo do governo, frente a um projeto político para as eleições municipais. Essa história de ficar "preenchendo" cargo parece não combinar com ele.

A entrevista no Sete Dias foi bem reveladora:

SD - Como foi trabalhar com o prefeito Maroca?

Caio - Não existe secretário bom e prefeito ruim. Se o nosso papel foi cumprido, foi porque o Maroca nos deu essa condição. Ele dá ao secretário a liberdade de construir as coisas e de implementar políticas públicas. O Maroca foi o único prefeito que aceitei ser secretário por causa de sua conduta ética e moral. Essa administração quebrou paradigmas, quebrou a corrupção, perseguição e um sistema política viciado que sempre viveu de intervenções de partidos políticos.

Blog do Flávio de Castro disse...

Leandro,

Desculpe-me, mas vamos seguir discordando nessa matéria. Eu concordo com você e com o Ramon, por exemplo, que o Caio teve uma ótima postura como secretário. Acho que, ao longo do tempo, geraria resultado. Tina capacidade para isso. Mas não gerou... Concretamente, não vejo nenhuma gestão ousada, em seis ou sete meses. Não houve tempo para nenhuma mudança real. Estamos tão pouco acostumados com a falta de soluções para problemas, pequenos ou grandes, que nos impressionamos com a mudança de mão em duas ruas. As questões fundamentais no trânsito continuam aí sem respostas. O sistema de concessão de transporte público não foi ainda licitado, a remodelação do sistema de permissão - que hoje é concorrente e não alternativo - segue como antes, o trânsito na área central não teve alteração, o uso que será dado à estação ou terminal de coletivos permanece uma interrogação. Não leia isso como crítica ao Caio. Não tenho porque criticá-lo. Os problemas de trânsito são graves e demandam prazo. Nem Deus os resolveria em tão pouco tempo...

Quanto ao trecho que você reproduziu do SD, coloco na conta de que o Caio é um ser político. Não dirá nada fora de sua lógica política. É uma boa resposta. Não necessariamente verdadeira...

Anônimo disse...

Ao que parece mais um secretário pediu para "pular fora do barco, que está afundando". Se a decisão tomada tem a razão meramente técnica aplaudo a postura do secretário. Se for uma decisão por pretensões políticas, creio que foi adequado a sua saída...

Rodrigo Assis