17 de jan de 2012

Rubinho: fim de carreira

Depois de 19 anos nas pistas de F1, Barrichello deve mesmo pendurar as sapatilhas de piloto de F1. A sua ex-equipe, a Williams, anunciou, ontem, em seu site oficial, a contratação de Bruno Senna para sua vaga, ao lado do venezuelano Pastor Maldonado. Sai um brasileiro, entra outro... A empresa se justificou em razão dos excelentes testes feitos por Senna. Nas palavras de Frank: "Gastamos tanto tempo com ele para avaliá-lo. Fizemos testes tanto na pista como em nosso simulador e ele provou que é capaz de aprender e aplicar seus conhecimentos de forma rápida e consistente". OK, soou bem; embora se note um pequeno problema de tradução... Talvez fosse mais apropriado traduzir a 'forma rápida e consistente', do inglês para o português, como Eike Batista. Aliás, o dono do grupo EBX, que já patrocinava Senna na Lotus Renault [2011], já havia antecipado, em seu twitter, no início do ano, que esse seria o destino do seu piloto. Business is business!

9 comentários:

Pablo disse...

Um Senna na Williams? Fria!

Entendo tanto de F1 como sei de baseball. Mas considero que uma equipe inteligente manteria o Rubinho como piloto de testes ou consultor.

Pergunta para Flávio e Ramon: o Rubinho foi um Piquet piorado - sabe acertar um carro, mas teve carreira pouco produtiva em títulos?

Blog do Flávio de Castro disse...

Pablo,

Sou suspeito para falar de Piquet. Fazia um estilo bad boy de primeira. Rubinho pode até se comparar a ele na fama de bom acertador de carro, mas jamais se aproximará no arrojo dentro de um cockpit. No mais, Piquet é do tempo que a F1 exigia braço. Rubinho é velho, mas nem tanto...

ENIO EDUARDO disse...

Devagarinho Barrichello parou?

Que novidade!!!

Ele sempre foi um parado na F1.

Pablo, acertador de carro não corre. Comparar Devagarinho Barrichello com Piquet não seria forçar a barra?

Concordo com o Piquet, o Devagarinho Barrichello preocupou-se mais em ganhar muita grana e ser celebridade do que propriamente um piloto vencedor.

Frederico Dantas disse...

Já deu né, Rubinho? Um piloto mediano cujo maior feito será sua longevidade na categoria, se é que isso vale alguma coisa. Larga o osso!

Blog do Flávio de Castro disse...

Fred,

Confesso que tinha certa apreço pelo Rubinho, não admiração, isso não. Acho que foi menos covarde do que Massa tem sido no infeliz papel de segundo piloto da Ferrari. No mais, ainda que seja tecnicamente bom e ainda que seja verdade que é um bom acertador de carros, concordo com você de que é duro chegar ao final de quase duas décadas apenas com o título de piloto mais rodado da categoria...

A. Claret disse...

O Rubinho nao e' santo de minha devoçao mas ele conseguiu os melhores resultados de um piloto brasileiro desde a morte de A. Senna. Quem nao se consola e' porque nao quer...

Frederico Dantas disse...

Bom... como não assito às corridas motivado pela Rede Globo, que acha que qualquer esporte só tem valor quando tem brasileiro vencendo (vide as recentes transmissões do vale-tudo), Rubinho não me fará nenhuma falta. Há bons pilotos na categoria hoje e continuarei assistindo por eles. Se houver bons pilotos brasileiros, ótimo. Se não, tudo bem também. Só acho que vai demorar para termos um brasileiro na prateleira de cima do F1.

Blog do Flávio de Castro disse...

Claret,

Não me consolo. Os pilotos pós-Senna não fizeram justiça nem ao nome de Senna nem de nossos outros pilotos como Piquet, José Carlos Pace, os Fittipaldi... Todos decepcionantes. Isso sem contar o Nelsinho Filho que é mais do que decepcionante; esse foi de envergonhar...

Ramon Lamar disse...

Continuo um admirador do Barrichello. Foi jogado o peso de "sucessor de Senna" nos ombros dele e ele infelizmente aceitou. O mesmo peso foi jogado nos ombros de Massa e ele preferiu falar que Schumacher foi mais piloto que Senna. O mesmo peso vai agora para os ombros do Senna-sobrinho e só se a Williams inventar o difusor-triplo-turbo-com-efeito-asa será possível ganhar alguma coisa.
Hoje vemos na Mercedes como o Schumacher foi campeão do mundo: boicotando o outro piloto com o apoio explícito da Ferrari. O hepta que "precisaria de meia temporada" para colocar o Rosberg no chinelo está lá de coadjuvante.
Vamos ver no que vai dar, mas sinto que a Williams fez uma grande cagada.