31 de jan de 2012

Negromonte: o nono

Depois de um longo e tenebroso inverno, enfim, o ministro Negromonte pediu o boné. Nessa semana, o seu chefe de gabinete e o seu chefe da assessoria parlamentar foram para a rua, por conta de ligações suspeitas com lobistas. Agora vai o chefe, que vinha sendo fritado, constrangedoramente, há meses, pelo próprio partido.


Dilma, pelo jeito, vai se submeter à regra da repartição do seu governo em territórios partidários. O Ministério das Cidades seguirá nas mãos do PP. Lamentável! Qual a tradição do PP em política urbana? Nenhuma, mas isso não interessa: "Entre os nomes analisados pelo governo para suceder a Negromonte no Ministério das Cidades estão o do líder do PP na Câmara, Agnaldo Ribeiro (PB), e dos deputados Márcio Reinaldo (MG), Beto Mansur (SP) e dos senadores Benedito de Lira (AL) e Ciro Nogueira (PI). A presidente Dilma Rousseff, no entanto, prefere Márcio Fortes, que já foi ministro das Cidades e hoje ocupa o cargo de Autoridade Pública Olímpica (APO)" [Estadão].
.
Lado curioso da notícia: ora, se ela prefere Márcio Fortes, por que a dúvida? Não é ela que manda? É ou não?

2 comentários:

Anônimo disse...

O deputado Márcio Reinaldo já foi escolhido. O mesmo deputado que sempre foi oposição ao seu PT será ministro do seu governo petista. Explica essa, caro Flávio. O seu PT que forçou a sua saída recebe o deputado de braços abertos. O deputado Márcio Reinaldo jamais teve esse prestígio junto ao PSDB de quem sempre foi aliado, não foi secretário, não foi ministro, não foi nada. Explica essa, caro Flávio.

Blog do Flávio de Castro disse...

Caro anônimo,

Você próprio já explicou o que se tornou a política, hoje. Não tenho nada a acrescentar.

Abs, Flávio