31 de out de 2011

'A máquina do mundo'

E como eu palmilhasse vagamente
uma estrada de Minas, pedregosa,
e no fecho da tarde um sino rouco

se misturasse ao som de meus sapatos
que era pausado e seco; e aves pairassem
no céu de chumbo, e suas formas pretas

lentamente se fossem diluindo
na escuridão maior, vinda dos montes
e de meu próprio ser desenganado,

a máquina do mundo se entreabriu
para quem de a romper já se esquivava
e só de o ter pensado se carpia.

Abriu-se majestosa e circunspecta,
sem emitir um som que fosse impuro
nem um clarão maior que o tolerável

pelas pupilas gastas na inspeção
contínua e dolorosa do deserto,
e pela mente exausta de mentar

toda uma realidade que transcende
a própria imagem sua debuxada
no rosto do mistério, nos abismos.

Abriu-se em calma pura, e convidando
quantos sentidos e intuições restavam
a quem de os ter usado os já perdera

e nem desejaria recobrá-los,
se em vão e para sempre repetimos
os mesmos sem roteiro tristes périplos,

convidando-os a todos, em coorte,
a se aplicarem sobre o pasto inédito
da natureza mítica das coisas,

assim me disse, embora voz alguma
ou sopro ou eco o simples percussão
atestasse que alguém, sobre a montanha,

a outro alguém, noturno e miserável,
em colóquio se estava dirigindo:
"O que procuraste em ti ou fora de

teu ser restrito e nunca se mostrou,
mesmo afetando dar-se ou se rendendo,
e a cada instante mais se retraindo,

olha, repara, ausculta: essa riqueza
sobrante a toda pérola, essa ciência
sublime e formidável, mas hermética,

essa total explicação da vida,
esse nexo primeiro e singular,
que nem concebes mais, pois tão esquivo

se revelou ante a pesquisa ardente
em que te consumiste... vê, contempla,
abre teu peito para agasalhá-lo."

As mais soberbas pontes e edifícios,
o que nas oficinas se elabora,
o que pensado foi e logo atinge

distância superior ao pensamento,
os recursos da terra dominados,
e as paixões e os impulsos e os tormentos

e tudo que define o ser terrestre
ou se prolonga até nos animais
e chega às plantas para se embeber

no sono rancoroso dos minérios,
dá volta ao mundo e torna a se engolfar
na estranha ordem geométrica de tudo,

e o absurdo original e seus enigmas,
suas verdades altas mais que tantos
monumentos erguidos à verdade;

e a memória dos deuses, e o solene
sentimento de morte, que floresce
no caule da existência mais gloriosa,

tudo se apresentou nesse relance
e me chamou para seu reino augusto,
afinal submetido à vista humana.

Mas, como eu relutasse em responder
a tal apelo assim maravilhoso,
pois a fé se abrandara, e mesmo o anseio,

a esperança mais mínima — esse anelo
de ver desvanecida a treva espessa
que entre os raios do sol inda se filtra;

como defuntas crenças convocadas
presto e fremente não se produzissem
a de novo tingir a neutra face

que vou pelos caminhos demonstrando,
e como se outro ser, não mais aquele
habitante de mim há tantos anos,

passasse a comandar minha vontade
que, já de si volúvel, se cerrava
semelhante a essas flores reticentes

em si mesmas abertas e fechadas;
como se um dom tardio já não fora
apetecível, antes despiciendo,

baixei os olhos, incurioso, lasso,
desdenhando colher a coisa oferta
que se abria gratuita a meu engenho.

A treva mais estrita já pousara
sobre a estrada de Minas, pedregosa,
e a máquina do mundo, repelida,

se foi miudamente recompondo,
enquanto eu, avaliando o que perdera,
seguia vagaroso, de mão pensas.




Cantos de Ouro Preto

Ouro Preto, vista pelos cantos, num domingo à toa, por um celular vagabundo...












DiaD

D de Drummond: hoje, 31.10, comemora-se o nascimento do maior poeta brasileiro, Carlos Drummond de Andrade. Acompanhem a programação geral clicando AQUI.


Em Belo Horizonte, a comemoração será na Livraria MinerianaRua Paraíba, 1.419, Funcionários, [31] 32238092 – 32620961, a partir das 19:00:

Leitura
Leitura de poemas de Drummond com os poetas Adriana Versiani, Ana Martins, Carlos Ávila, Mário Alex Rosa, Wilmar Silva e Jovino Machado
Exposição
Mostra de cartas, fotos e poemas do acervo do poeta mineiro Afonso Ávila e do acervo da Biblioteca Pública de MG
Filmes
Exibição do filme ‘O Fazendeiro do Ar’, de David Neves e Fernando Sabino [Brasil, 1972. 9’]. 
E mais...
Exibição de entrevistas e depoimentos sobre Drummond. Presença especial de familiares de Drummond e do poeta Afonso Ávila. Mesa de livros de Drummond com desconto especial DiaD

'Sensação de Perda'

"Antes as pessoas tinham mais pudor, vergonha do que lhes ia na alma. Cuidavam de manter a boçalidade algo recolhida, para não passar vexame. Não era bonito exibir publicamente a própria estupidez".

Cliquem AQUI  e leiam coluna do Alon Feuerwerker, Sensação de Perda, motivada por essa história de Lula, câncer, SUS e falta de pudor...

Vida

"E vivas para as mulheres do Outubro Rosa, aos guerreiros e guerreiras sobreviventes do HIV e a todos os doentes que querem e podem sobreviver aos grandes males do corpo com bons tratamentos, fé e dignidade. Difícil mesmo, continua sendo sobreviver ao preconceito. Aí, só com milagre, muito milagre!!!" [Fredy Antoniazzi, em comentário no post abaixo]

30 de out de 2011

Quando a hipocrisia encontra a impiedade

Lula está com câncer. Eu peço a Deus para nunca ter câncer e não desejo isso nem para meus amigos nem para meus inimigos. Não desejo câncer para ninguém. Por isso mesmo, estou horrorizado de ver amigos meus se divertindo com a brincadeira de recomendar que Lula se trate pelo SUS. Não só amigos: mais de 70 mil pessoas curtiram isso no Facebook. Mas a surpresa não vem dos desconhecidos, vem dos conhecidos. A propósito, nenhum deles, dos muitos que conheço bem, utiliza-se do SUS e só por isso se diverte e ironiza. Acho que há dois pecados mortais aí. O primeiro, inadmissível, é a impiedade de rir do mal alheio. A falta de compaixão. E não tenho dúvidas: é um riso racista. Ninguém nunca perguntou como FHC se trata de seus males. Ninguém nunca falou em SUS na morte de Ruth Cardoso. Ninguém nunca falará em SUS, em uma eventual doença de Aécio. Ninguém perguntou sobre o SUS nas mil operações de Roseane Sarney. José Alencar, nosso vice-presidente, tornou-se herói na luta contra o câncer e ninguém nunca se lembrou do SUS. Nunca! São heróis porque são ricos e gostamos dos ricos. Somos hipócritas. Lula tem origem pobre; se chegou à presidência foi muito; se tem uma vida decente, hoje, põe-se suspeição; se está doente, não merece nada além de um tratamento pelo SUS. Eu jamais serei presidente da República e terei um traço da popularidade de Lula. Meus amigos engraçados também não. Jamais... O segundo pecado é o de condenar o SUS. O SUS tem apenas 20 anos. É uma proposta ousada dos brasileiros: o de construir um sistema universal e público de saúde. Nem os EEUU se atreveram a isso. Eu não sou entendido nesse assunto, mas sempre que converso com aqueles que entendem, vejo o quanto valorizam e sabem o desafio que o SUS significa. Muitos não entendem nem valorizam. Nem querem entender. E riem. Em minha opinião, acho que devemos tratar essa história de outra forma: desejando a Lula, a outros doentes de câncer, a doentes do SUS e de planos privados, a doentes ricos e pobres, de coração, FORÇA E SAÚDE!


[PS, 02/11/11 - A propósito, leiam AQUI texto sensato de Eliane Cantanhêde, colunista da Folha: 'Parem com isso!']

Pra que ligar a TV?

Perda de tempo total! Só repetecos. O Cruzeiro? Perdeu! Só não segue pior na tabela porque a turma de baixo consegue ser pior ainda. Ceará? Perdeu! Atlético/PR? Também! F1? Que tédio! Quem foi que disse que essa pista nova indiana seria um show de ultrapassagens? Nada! Nem a disputa pelo vice deu algum ânimo à coisa. Só mesmo as panteras para nos dar alguma alegria... Dá-lhe, porco! Putz!, nem as panteras, agora, dão mais alegrias!!! Que coisa...

29 de out de 2011

Trânsito assassino

A notícia do dia é o recorde anual de mortes no trânsito, que chegou a 40 mil, em 2010, segundo o Ministério da Saúde. Uma 'epidemia'! A revista IstoÉ traz uma matéria com sugestão de '5 ideias para fazer a lei seca funcionar'.  É uma leitura [AQUI] proveitosa, especialmente para aqueles que discordam da lei. Acho que esse é um debate necessário. Particularmente, eu concordo com a Lei Seca, ainda que possa questioná-la em alguns aspectos. Por exemplo: acho que ela é muito severa com quem bebeu pouquíssimo e se dispõe, de forma cidadã, a fazer o teste do bafômetro, e é inócua para os casos de quem bebeu todas, está fora de controle e se nega a produzir provas contra si. Esse é um ponto a se discutir: os níveis muito baixos de alcoolemia adotados pela lei não estimulam o seu descumprimento? Qual sua opinião?

Lula é diagnosticado com tumor na laringe

A notícia apareceu, há pouco, no Estadão e já é manchete nos principais portais na internet: no Estado de Minas, no Terra, no UOL... Força aí, presidente! #forçalula


De olho no fim de semana

O fim de semana não está nada fácil. A programação está AQUI. Acompanhem...

Cordialmente, Carlos

Vinte e seis anos de cartas trocadas entre duas pessoas que nunca se viram: Helena e Carlos, o Drummond de Andrade. Está na edição antiga da Piauí #18. Leiam que é bacana [AQUI].

O preço da irresponsabilidade - II

É sempre assim: os prefeitos são 'empreendedores', liberais e permissivos, e o que mais o valha, na gestão do espaço urbano, mas quando a coisa dá manchete ruim nos jornais e vira um grande problema, eles miram o andar de baixo e buscam um culpado pela besteira que fizeram...

O próprio prefeito Márcio Lacerda flexibilizou a lei, autorizando construções com coeficientes de aproveitamento maiores, tudo sob o pretexto da Copa de 2014; as construções, não uma, mas dizem que mais de vinte, foram licenciadas pela PBH; agora, depois do malfeito feito, o prefeito quer saber quem foi o pobre coitado que o levou a sério e pôs o chamegão no alvará de licença. Covardia... Está no EM: 'PBH quer saber quem autorizou obra de hotel na Pampulha'.

Ele, de novo


Vettel estreou na Índia com mais uma pole. Nada de novo! O melhor vem logo atrás: os postulantes a vice-campeão vem seriados: Webber, Alonso, Button e Hamilton. A briga aí vai ser boa... Massa bateu na sua volta rápida e larga em sexto. Mais do mesmo: o cara esqueceu mesmo como se pilota. A corrida será em horário 'assistível': às 7 e meia da manhã de domingo. Senna larga em 14º e Rubinho logo atrás.

28 de out de 2011

Bike Rio


Dessa vez, quem está apostando no uso de bicicletas como alternativa de transporte é a cidade do Rio. A matéria está AQUI: 'Prefeitura do Rio lança novo programa de aluguel de bicicletas'.

A prefeitura do Rio de Janeiro lançou nesta sexta-feira o novo programa de aluguel de bicicletas na cidade, o Bike Rio. O sistema deve instalar 60 estações de aluguel de bicicleta em 14 bairros da capital fluminense até 13 de dezembro.[...]

"O projeto Bike Rio se soma ao objetivo estratégico da prefeitura de incentivar o uso de bicicleta como transporte alternativo. O projeto foi idealizado para que os usuários possam percorrer trajetos utilizando a bicicleta no percurso completo ou integrando com outros modais de transporte, além de ser um meio de reduzir os engarrafamentos e a poluição ambiental nas áreas centrais da cidade e de promover a prática de hábitos saudáveis na população", informou a prefeitura em nota.

[...]
O sistema é composto de estações inteligentes, conectadas a uma central de operações via wireless (conexão sem fio) alimentadas por energia solar e distribuídas em pontos estratégicos da cidade, onde os usuários cadastrados podem retirar uma bicicleta todos os dias da semana, das 6h às 22h.
A bicicleta pode ser usada por 60 minutos ininterruptos e quantas vezes por dia o usuário desejar, bastando apenas que, após esse período, o usuário estacione a bicicleta em qualquer uma das 60 estações por um intervalo de pelo menos 15 minutos. A partir de dezembro, 600 bicicletas estarão disponíveis em pontos estratégicos nos bairros de Botafogo, Catete, Centro, Copacabana, Cosme Velho, Flamengo, Gávea, Humaitá, Ipanema, Jardim Botânico, Lagoa, Laranjeiras, Leblon e Urca.

Por que em Sete Lagoas não fazemos a mesma coisa?!

Choque de gestão

'Minas, Maranhão e Pará lideram ranking de risco de corrupção'
Segundo estudo da UNICAMP, os 3 estados se saíram mal em 4 dos 8 itens que avaliam sistemas de controle.

Os três Estados tiveram registro de "alto risco" em quatro dos oito indicadores sobre sistemas de controle da corrupção avaliados pelos cientistas políticos Bruno Speck e Valeriano Mendes Ferreira, autores do estudo. Os dados são relativos ao ano de 2009.

Das demais unidades da Federação, nenhuma foi aprovada em todos os quesitos. Transparência limitada, falta de competitividade nas compras públicas, submissão de órgãos de controle a grupos políticos e imprensa nem sempre independente foram alguns dos problemas detectados.

Leiam matérias relacionadas no Estadão, na Veja, na CBN, n'O Tempo e n'O Tempo, de novo. Ouçam entrevista com o pesquisador Bruno Speck, professor de Ciência Política da UNICAMP:



Comentário importante: não se trata de um ranking de estados mais corruptos, mas de estados, segundo determinados critérios estabelecidos, cujos dispositivos institucionais de controle administrativo, potencialmente dificultadores de práticas de corrupção, tanto no âmbito do Executivo, quanto do Legislativo, apresentavam maior vulnerabilidade. A liderança de Minas, nesse caso, não diz que Minas foi o estado mais corrupto do país, em 2009, mas dá conta que o propalado 'choque de gestão' ignorou os aspectos de gestão relacionados a monitoramento, avaliação e controle; ou seja, que foi, no máximo, um 'meio choque de gestão'. Lamentável!

'Cidade Aberta'

Com inverdades, também não!

O ingresso de empresas e a realização de obras são condições necessárias, mas não suficientes para o nosso desenvolvimento. Não é difícil citar diversas cidades, até próximas, que foram objeto de forte impulso industrial e tiveram prefeitos obreiros e nem por isso foram alçadas a uma condição de sustentabilidade, mas sim conduzidas a patamares de qualidade de vida desastrosos. O diferencial é o modelo de cidade que se persegue e o compromisso que se tem com o planejamento de longo prazo, na direção desse modelo. Sobre isso não podemos nos enganar. É lícito que o prefeito Maroca defenda sua administração, fazendo um balanço de suas obras; isso não me compete julgar. Mas não é correto afirmar que planeja a cidade para o futuro, se, de fato, não o faz. Não seria desonroso se o prefeito reconhecesse que criar condições para se fazer 'o planejamento da cidade para as próximas décadas' é, exatamente, o grande desafio de administrações de cidades de porte médio, como a nossa. Esse é o tema do Cidade Aberta, no SETE DIAS,  desta semana [AQUI].

27 de out de 2011

Por que não fazer a coisa certa?

Tramita na Câmara o Projeto de Lei Complementar nº 17/2011. Seguramente, será aprovado porque a Câmara, no jogo que se joga, pela maioria de seus membros, não refuta projetos do Executivo. Vamos analisar esse caso...

O mérito
A regularização de lotes e construções irregulares em Sete Lagoas é sim de interesse social. Concordo plenamente com isso. Minha discussão não está em fazê-lo, mas em como fazê-lo. Sobre os erros verificados na lei de regularização de construções [Lei nº 141/2011], nós já falamos AQUI. Vamos à questão de regularização de DESMEMBRAMENTOS, que é o que está em pauta, agora. De novo, perde-se a oportunidade de se fazer a coisa certa, para se fazer de qualquer jeito...

Lote e desmembramento
É bom se ter em mente que ‘lote’ remete a conceitos legais, cadastrais, jurídicos e tributários. É uma fração edificável decorrente de um processo de parcelamento de gleba urbana, nos termos da Lei nº 6.766. Obedece a parâmetros urbanísticos como área e dimensão mínima e obrigação de acesso direto a logradouro público com testada regulamentada. Em Sete Lagoas, o menor lote é o de 180m² com testada mínima para o  logradouro de 10m. Ainda assim, na legislação municipal, salvo em casos de empreendimentos habitacionais de interesse social, não há zonas de expansão com lotes permitidos inferiores a 360m². O desmembramento, não de glebas, mas de lotes é, via de regra uma excepcionalidade que deveria ser limitada. Atualmente, os casos admitidos [ainda que transgridam o lote mínimo da região, digamos, de 360m², mas que respeita o lote mínimo e a testada mínima legais] são os de desmembramentos de lotes de esquina, a exemplo da Figura 1, que transforma um lote padrão 12x30, com 360m², em 2 lotes 12 x 15, com 180m², ambos com testadas para vias públicas superiores a 10 m.



A origem
A mensagem do prefeito cita a Indicação nº 39/2011 do vereador Gilberto Doceiro. Ela propôs a redução do lote mínimo para 120m² e a autorização de frente mínima de 6m. O vereador deveria saber que lote mínimo de 120m² confronta a legislação federal [Lei nº 6.766, art. 4º, inciso II, lote mínimo 125m²]. A frente mínima de 6m, ao que se deduz, destina-se a permitir a divisão de lotes que não sejam de esquina, como exemplifica a Figura 2. Considerando-se afastamentos laterais mínimos legais de 1,5m, se chegará a lotes de uso reduzidíssimo. Mas vá lá, se o caráter for de regularização emergencial.



O projeto
I – A ‘era dos advogados’
A mensagem do prefeito informa que o projeto foi solicitado pela ‘Diretoria do Departamento de Urbanística, Ambiental, de Registros Públicos e Licenciamentos de Obras’. Ao que sei, essa é uma diretoria da estrutura da Procuradoria Geral do Município. Ou seja, o projeto é da lavra da Procuradoria. Sequer dispõe de um parecer ou uma manifestação da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão, responsável pela política urbana do município. O que se deve entender? Que a área urbana da Prefeitura não apita mais nada sobre projetos urbanos? Inaceitável!

II – A institucionalização da discricionariedade sob o nome de razoabilidade
O projeto apenas corrige o lote mínimo para 125m², obedecendo legislação federal. Até aí, nenhum mérito. Afora isso, não estabelece NENHUM critério urbanístico. Nem a testada mínima de 6m da proposta do vereador é acolhida. Sem definir critérios, submete a decisão a uma comissão instituída no art.5º que deve deliberar com razoabilidade. Ou seja, na prática, são delegados podere ilimitados a uma comissão para fazer o que bem quiser, desde que ela própria alegue razoabilidade. Non sense completo: isso significa a criação de uma comissão acima da lei, com aquiescência dos vereadores! Fica patente que a visão válida, nesse governo, é a burocrática; que a urbanística é irrelevante.

III – A negação da realidade
A obrigação do projeto seria legislar sobre situações claramente tipificadas de forma a ser, definitivamente, resolutivo. Isso, que é o ponto central, ele ignora. Se eu não estiver enganado, a situação mais complexa que temos, hoje, é a da ocorrência de construções sucessivas dentro de um  mesmo lote. Historicamente, o próprio DLO foi quem incentivou esse expediente ao atribuir mais de um número por lote e ao aprovar cada construção dentro de um mesmo lote, numa mesma matrícula, como construção inicial e não ampliação de outra já existente. No fundo, fez-se um desmembramento tácito. Essa prática do DLO não encontra similaridade em qualquer outro lugar que eu conheço. Ao final, tem-se várias casas em um só lote, de donos diferentes, como ilustra a Figura 3. Esse é ‘o’ problema. A meu ver, a única solução é formar condomínios, segundo a lei de condomínios e empregar o conceito de fração ideal. Pelo jeito, vai se tentar resolver esse problema com desmembramentos de lotes. Como? Tomando-se o caso simulado abaixo, já que a lógica dos urbanistas não vale mais nada, vamos recorrer, então, à boa lógica dos matemáticos: a divisão de um lote de 360m² em 3 resulta em lotes com menos de 125m², ou pelo menos em um lote com no máximo 110m². Ou não? Duas perguntas: [a] se não é para resolver problemas complexos como esse ilustrado, para que serve o projeto? [b] Se for, como se vai regularizar lotes que não tem sequer acesso direto a logradouros públicos ou que tem mais de duas residências? Com razoabilidade, imagino...


Ao vivo

09:30 - Raquel Branco Ribeiro e Paulinho do Boi estão ao vivo, agora, na Rádio Santana. Assunto: SERPAF.

Futebol nacional

A coisa não vai nada bem: dos oito times brasileiros que participavam da Copa Sulamericana, apenas o Vasco ultrapassou as oitavas de final. Na segunda fase, quatro caíram [e cairiam de toda forma porque foram jogos de brasileiros versus brasileiros]. Nas oitavas, mais três...

26 de out de 2011

Mini Congresso Científico Colégio Caetano

No dia 28, sexta-feira, às 8 da manhã, eu participo de uma mesa redonda com o secretário do Meio Ambiente Cláudio Busu, mediada pelo Ramon Lamar, no auditório do Colégio Caetano. O tema será Sete Lagoas: ambiente e urbanismo. A programação completa do evento está AQUI.

O preço da irresponsabilidade

Nós já vimos esse filme, antes, aqui em Sete Lagoas. Em nome de pretenso 'espírito empreendedor', licenciam-se obras sem as devidas cautelas: sem segurança urbanística para a população e sem segurança jurídica para o empreendedor. Os nossos gestores públicos andam brincando de governar?

Está no Estado de Minas de hoje: 'Obra de espigão na Pampulha acaba na Justiça'. O sub-título da manchete dá conta da confusão: "construtora processa prefeitura por ter permitido obra depois de recomendação contrária. Secretário municipal joga responsabilidade no colo do empresário e IEPHA evita o assunto". O clássico, 'toma que o filho é teu', depois da lambança feita.

Tudo isso em razão da Lei nº 9.952 que flexibilizou regras de zoneamento, especialmente altura de edifícios, para hotéis, hospitais e centros culturais, na Pampulha, sob o argumento de melhorar a infraestrutura para a Copa de 2014, sem exigência de prévia anuência do IEPHA.

Depois da estupidez da criação de regras semelhantes para o Belvedere II e o Buritis, onde, em determinados horários, ninguém entra, ninguém sai, a bola da vez é a Pampulha e o complexo arquitetônico do Niemeyer? É a isso que chamam de 'espírito empreendedor'?

A propósito, a nossa 'estação de transbordo' [ou em português setelagoano, a nossa parada de ônibus com banheiros públicos], já em obras, ao lado da Estação Ferroviária, na área de entorno de um bem tombado, foi licenciada pelo COMPAC? Está regular? Ou corre o risco de ser embargada como o prédio da Casa Rocha, bem ao lado? A quem interessa essa judicialização de tudo e esse enfraquecimento da autoridade pública?

Mais um


Mais um ministro. O sexto. Mais um partido, o PCdoB. O quarto. Mais um que sai dizendo que sai para se defender. A verdade dos fatos não é muito clara. Mas, claramente, a degeneração do ambiente político, todo ele, em qualquer nível, induz ao pré-julgamento. Não há quem sustente mais uma denúncia. Tiro e queda!

Fim de semana de arrasar!

Sábado de programação intensa. Logo às 10:00 começa o UNIFEMM FEITO PRA VOCÊ: simulado, circuito para se conhecer o UNIFEMM e mostra de profissões [os que desejarem se inscrever, cliquem no banner abaixo]:


Como parte da programação do UNIFEMM, na largada, nada menos que um Sempre um Papo, com ninguém menos que Zeca Camargo:


Depois das 16, ou um pouco antes, às 15:00 preparem o fígado: tem a Feijoada do Cordão do Constantino, no Jatobá, com o talento gastronômico do Figueiredo, DJ cacique BV, samba ao vivo e cerveja gelada. 


Acabou o sabadão? Que nada! Peguem leve, amigos, porque à noite, às 21:00, ainda tem o Minas ao Luar, um show de seresta na Feirinha, numa parceria SESC/MG e Secretaria Municipal de Cultura e Comunicação Social:


E putz!, no domingo, o bicho pega na Festa do Beco do Repolho, a festa do congado mais badalada da cidade!


De coração: espero encontrá-los vivos e inteiros na segunda...

[Para sorte de vocês, não vai sobrar tempo pra vocês ligarem a televisão, no sábado, às seis da tarde, e no domingo, no mesmo horário, para assistirem a um futebolzinho. Melhor assim...]

25 de out de 2011

Jornal vereador Dalton - 6ª edição

O mandato do nosso vereador Dalton Andrade [PT] lançou a sua 6ª edição. Acho que o Dalton inova em apresentar o seu trabalho à sociedade com essa qualidade jornalística. Na verdade, a qualidade jornalística expressa a qualidade política: a profundidade dos projetos, o alto nível de interação social, a transparência de ação. Para lerem a versão digital, cliquem na imagem abaixo. Para conhecerem o site do Dalton, cliquem AQUI. Parabéns a toda equipe do gabinete.


PS, 26/10, 18:18 - No segundo comentário abaixo, um leitor deste blog, o Tiago, reclamou da falta da menção ao nome do Caramelo na matéria sobre a praça Bernardo Valadares; na sequência, no quinto comentário, o gabinete do vereador Dalton reconheceu o erro e desculpou-se pelo equívoco. Parabéns ao Tiago pelo sentido de justiça e parabéns ao Dalton e equipe pela humildade em reconhecer um erro. Bom isso!

Cobiça

A pouca audiência à noite de lançamento do livro de Lucas Figueiredo, ontem, acabou por permitir uma oportunidade rara de um debate mais opinativo, informal e pessoal. O Lucas contextualizou seu papel não de historiador, mas de jornalista, para cada um de seus principais livros - Morcegos Negros, Ministério do Silêncio, O Operador, Olho por olho, até Boa Ventura. Se eu puder escolher um assunto-chave que permeou todo o debate, contra ou a favor, eu diria que foi a indagação se a história do povo brasileiro foi marcada pela cobiça. Excelente! O Fredy Antoniazzi, em noite de Afonso Borges, mandou muito bem. Repita a dose, Fredy.

 [Foto Flávio de Castro | celular]

  [Foto Flávio de Castro | celular]

  [Foto Flávio de Castro | celular]

 [Foto Caio Pacheco]

  [Foto Caio Pacheco]

  [Foto Caio Pacheco]

  [Foto Caio Pacheco]

 [Foto Caio Pacheco]

24 de out de 2011

Lucas Figueiredo: é hoje!


Numa promoção da Secretaria Municipal de Cultura e Comunicação Social, o jornalista e escritor Lucas Figueiredo lança, hoje, às 19:00, na Casa da Cultura, o seu livro Boa Ventura! A corrida do Ouro no Brasil (1697 - 1810) - a cobiça que forjou um país, sustentou Portugal e inflamou o mundo [Editora Record, 368 págs. R$39,90].

Lucas Figueiredo foi vencedor dos prestigiados prêmios Esso [2007, 2005, 2004], Jabuti [2010], Vladimir Herzog [2009 e 2005], Imprensa Embratel [2005] e Folha [1997]. Mais informações AQUI.

23 de out de 2011

... fechou-se, novamente, a porta do inferno

Depois de uma custosa negociação com o diabo, o cara que zela pelas entradas e saídas da Z-4, a zona da degola; depois de muita emoção, tensão e hipertensão; ufa!, enfim, pulamos fora e subimos posições... Que Deus nos guarde! E que Anselmo Ramon marque gols.

[Pois não é que até o Farias voltou a jogar e fuzilou!...]

Variações sobre o mesmo tema

Vai aí uma dica parecida com o prato da postagem 26. A mesma praça, o mesmo banco, o mesmo risoto de legumes, o mesmo tomate condimentado no azeite... Ao invés da coroa de costela, um lombinho assado em forno bem quente, dourado por fora, suculento por dentro. Como molho, ao invés do molho de tamarindo, um falso chutney de maça: 2 maças, 1/2 cebola, pimentas calabresa, do reino e da jamaica, 2 cravos, uma raspada de noz moscada, sementes de coentro e 1 dose de cachaça. E um bom vinho, claro!

22 de out de 2011

Sandel

A simplicidade da linguagem é um trunfo de Justiça, o livro e o curso. Com paciência socrática, Sandel vai colocando dilemas morais e éticos e segue questionando as respostas fáceis. Defensor de uma ética comunitária que se choca com a liberdade incondicional do mercado ou a liberdade incondicional das escolhas individuais, Michael J. Sandel define assim o que considera justiça: 'Não é só a maneira certa de distribuir coisas. É também a maneira certa de valorizar as coisas' [AQUI].


Justiça - O que é fazer a coisa certa. Michael J. Sandel. Civilização Brasileira. [Livraria Cultura R$39,90 | + Cultura R$32,90].

Reabriu-se a porta do inferno...

Nessa noite fria e chuvosa, nós, cruzeirenses, dormiremos no calor do fogo do inferno da Z-4. Incrível: as panteras venceram o Fluminense. Na casa do adversário... Nada nesse mundo é totalmente explicável.

'Sete Lagoas está se tornando um lugar nada bonito de se ver'

Leiam essa boa e pertinente matéria de Roberta Lanza no setelagoas.com.br [AQUI]...


PS. Pelos comentários abaixo, o título desse post deveria ter sido: PT está se tornando um lugar nada bonito de se ver...

Humildade

Poucas pessoas transitam pela vida fazendo da humildade uma genuína expressão de si mesmas. Uma virtude, de fato; não um estilo, apenas. Nesta sexta, no dia que completaria 91 anos, Chiquito, Francisco Bartholomeu da Silva, o irmão mais velho da minha mãe, humildemente, partiu...

SERPAF, 43






21 de out de 2011

UNIFEMM aprova projeto de R$5mi para modernização do auditório Dr. Marcelo Vianna



No último dia 11 de outubro, o Ministério da Cultura, através da Secretaria Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura, aprovou o projeto de Modernização do Centro Cultural Dr. Marcelo Vianna e autorizou a Fundação Educacional Monsenhor Messias a captar recursos de doações e patrocínios no montante de R$5,079 milhões, com base na Lei Rouanet.

O projeto, desenvolvido pela OFICIO PROJETOS, em 2008, prevê intervenções substantivas no espaço do atual auditório, requalificando-o como um novo Centro Cultural. “O ponto central é o aumento da funcionalidade do espaço existente. O auditório principal terá sua declividade alterada para correção da curva visual, melhoria das poltronas, receberá tratamento acústico e novo sistema de iluminação e disporá de ar-condicionado central. O palco receberá todos os recursos cênicos necessários e as coxias e camarins serão modernizados. Deixará de ser um simples auditório para constituir-se numa sala de espetáculos. Adicionalmente, o Centro Cultural disporá de um novo auditório para 150 lugares e um salão multiuso”, esclareceu o arquiteto Flávio de Castro, responsável pelo projeto em co-autoria com a arquiteta Beatriz Gontijo.



O auditório do UNIFEMM, o maior da cidade, com capacidade para cerca de 600 pessoas, tem sido, ao longo dos últimos anos, palco dos principais eventos públicos e culturais da cidade. Apenas este ano sediou, em parceria com a IVECO, várias edições do projeto ‘Sempre um Papo’ e eventos de interesse público, como o Seminário Legislativo Pobreza e Desigualdade, recentemente promovido pela Assembléia Legislativa de Minas Gerais.

“O UNIFEMM tem um compromisso inarredável com o desenvolvimento de Sete Lagoas e região. Os investimentos que estamos viabilizando para a modernização do nosso Centro Cultural pretendem oferecer à cidade um teatro municipal de primeira linha. Isso permitirá a inserção de Sete lagoas no circuito nacional de artes cênicas e de danças. O UNIFEMM aposta, mais uma vez, na cultura como elemento de transformação social”, afirmou o magnífico reitor Dr. Antônio Bahia Filho. “Se o UNIFEMM já tem contribuído para o desenvolvimento de Sete Lagoas e região, vamos contribuir mais e sempre. Espero que a sociedade setelagoana, os nossos artistas e os nossos empresários venham somar esforços conosco nesse objetivo”, concluiu.

A aprovação do projeto e a autorização para captação de recursos foram publicadas no Diário Oficial da União, no último dia 11 de outubro, através da Portaria nº 586, de 10/10/2011.

[UNIFEMM | Comunicação]

   Breve comentário   
Eu e a Tiza trabalhamos com gestão de projetos há 25 anos. A parceria da OFICIO PROJETOS com a UNIFEMM, em 2008, antes mesmo do meu retorno a Sete Lagoas, é, para nós, um motivo de orgulho. Boas parceiras são aquelas que dão resultados. Nós tivemos a oportunidade de elaborar o Plano Diretor para Expansão Física do Campus UNIFEMM, que se tornou um instrumento de gestão para a instituição; e  de desenvolver o projeto arquitetônico, fazer a coordenação geral de projetos e elaborar o projeto cultural para Modernização do Centro Cultural Dr. Marcelo Viana, que acaba de ser aprovado pelo Ministério da Cultura. O sucesso dessa parceria só foi possível por ter se pautado, durante todo o tempo, em um alto nível de confiança e reciprocidade. Fica o nosso agradecimento à direção do UNIFEMM, ao reitor Antônio Bahia Filho, e da FEMM, ao presidente Adélio Faria.

Novidades da Literata

Uma novidade para a Literata deste ano é o projeto “Patinho Feio”, de autoria dos artistas plásticos de Sete Lagoas, Adriana Drummond, Demetrius Henrique Cotta e Luciano Ribeiro. Eles criaram peças inspiradas em crônicas do autor homenageado na segunda edição da Festa Literária de Sete Lagoas a serem aplicadas em três pedalinhos da Lagoa Paulino, tradicional cartão postal da cidade. As peças foram apresentadas no dia 19 de outubro, na Casa da Cultura, quando esses pedalinhos foram lançados na água [Leiam mais AQUI].

[Imagem divulgação]