28 de mai de 2010

Menino - XVI

O patrão levantou muito cedo, tomou a caminhonete e foi à cidade. A patroa demorou-se a levantar, foi à cozinha, tomou uma xícara de café, um comprimido pra dor de cabeça, queixou-se e voltou pro quarto. O sol já ia a pino e a casa continuava um silêncio só. Parecia que havia um velório ali. A porta do quarto do menino não se abriu, nem se fechou. Tudo seguia lerdo até que a arrumadeira deu um berro: – Patroa, o menino sumiu! Todo mundo acorreu ao seu quarto e, de fato, ele não estava lá, como todo mundo achava que estivesse, curando suas feridas e aprendendo a parar de fantasiar. – Meu Deus, só me faltava essa!... disse a mãe, entrando novamente em seu já habitual estado de choro...

10 comentários:

Celso disse...

Faria o mesmo. Sumir.

Pablo disse...

Flávio, posso pegar todos os capítulos e trabalhar em cima de um roteiro de TV/cinema?

Abraço!

Flávia disse...

Flávio,

Meu chefinho é chique heim?! Roteiro de tv/cinema... ai,ai... Esta história vai longe...
Eu aproveito para perguntar se posso imprimir para Estevão ler.
Ele é um ótimo leitor e eu quero saber qual será olhar de um criança sobre a história. Pode ser?

Bj

Flávia

Blog de Flávio de Castro disse...

Celso, Pablo, Flávia,

Essa é uma história infantil que tenho comigo há anos. Tenho várias outras, infantis e não infantis. Não sei, sinceramente, porque entrei numa de reescrevê-la e postá-la aqui. Vou confessar uma coisa pra vocês. Muitas vezes eu penso que minha capacidade de alimentar esse blog já se exauriu e que eu devia parar com essa mania. Sobretudo por estar no governo local, o que é circunstancial, penso, às vezes, que os limites que preciso me impor, me recomendam a parar com essa maluquice ante o risco de fazer um papel que beire ao ridículo. Vejo, com frequência, que quem entra nesse blog espera uma inconfidência política e eu fico aqui com papo de futebol, histórias sem pé nem cabeça e etc. No fundo, nunca consigo saber exatamente quando as coisas vão fazer e quando não vão fazer sentido. Temo que besteiras que eu gosto, fora do meu contexto pessoal, possam mostrar apenas seu lado e o meu lado vulgar. Mesmo porque os blogs andam tão comprometidos que um blog vulgar como esse vai tomando poeira... Volto ao assunto: não sei porque resolvi colocar essa história aqui. Mas se coloquei, o que podia esperar de melhor do que o interesse de vocês por ela? E se se interessaram, então, ela passa a ser uma brincadeira compartilhada. Dêem o uso que quiserem. Saber que o Estêvão leu será uma prenda. Se ele gostar, será surpresa divina. Pablito, fique também você à vontade. Mas cuidado: não se sintam obrigados a serem cúmplices da minha mediocridade.
Abs, Flávio

ENIO EDUARDO disse...

Flávio meu camarada, primeiramente, pare de falar que o seu blog, sua história são mediocres. Nada disso!!!
Seu espaço é compartilhado por pessoas que te querem bem. Pessoas que passaram a se relacionar por causa desse ambiente descontraído.
Você participa do atual governo. E dai!!! Isto para nós que estamos cotidianamente aqui é motivo de confiança em uma pessoa que sabe por onde anda. Compartilhar desse espaço é uma honra, um prazer, podemos aqui discutir vários assuntos, pontos de vistas e principalmente Flávio, respeitar uns aos outros dentro da diversidade de pensamentos.
Aqui estamos tendo oportunidade de conhecê-lo na essência daquilo que você gosta de fazer.
Essa história infantil, trouxe um colorido diferente para nós.
De repente você nos brindou com uma história tão delicada, tão deliciosa de ler. A cada post, uma descoberta e o aguardo ancioso pelo próximo post. Se a história fosse mediocre e se você fosse mediocre, com certeza não haveria conquistado esta turma que frenqüenta sua praça.
Sinto e vejo que quem quer saber de alguma coisa do governo é esse tal de anônimo que de quando em vez atravessa os comentários de forma sempre camuflada.
Aqui, creio que a maioria se interessa pela essência. Pela essência que você representa e pela essência do pensamento de cada um de nós.
Você é importante independentemente de qual posição que você ocupa.
Flávio, obrigado pelo presente desta história e pela chance de construirmos junto com você essa sua praça.
Que a Flávia imprima essa bela história para o Estevão. Que o Pablo faça seu roteiro.
Como leitor compulsivo que sou, digo a você que uma história é boa de se ler quando podemos construir todas as imagens daquilo que se passa.
A sua história nos prende justamente por esta magia. Cada um de nós, com certeza estamos formando os quadros desse livro em nosso imaginário.
É uma história que diz da sensibilidade de tudo aquilo que é humano, recheado por uma paissagem colorida.
Que essa sua brincadeira continue a produzir os sentimentos mais sensíveis em cada um de nós, para que possamos brincar sempre.

Abraço, Enio

Vanessa Coutinho disse...

Enio, se me permite, faço minhas as suas palavras.Vc traduziu os meus pensamentos...
Parabéns Flavio, pela sua sensibilidades, e lembre-se ; toda a historia nos deixa sempre uma reflexão de vida( melhor para falar sobre isto é o Paulinho do Boi)
Vanessa Coutinho

Pablo disse...

Quando eu crescer, quero escrever igual ao Flávio e fazer análises como o Ênio.
Flávio, a admiração de todos aqui é justamente por tudo o que o Ênio disse: você é a ovelha branca. A palavra "circunstancial" vale como resposta aos urubus da praça da Prefeitura. Sua presença na administração é por acreditar numa idéia e na amizade com o prefeito.
Temos a sorte de acreditarmos na mesma bandeira do seu barco e o privilégio de ler suas literaturas.
Abraço.
PS.: vamos agilizar ou não o fundo de quintal no jogo do dia 20?

Flávia disse...

Flávio,

Concordo com tudo que foi falado por Ênio e Pablo, o blog transcende ao fato de você participar do governo.
Outra coisa, eu já te disse isso várias vezes e não custa repetir: o blog não é mais só seu então essa história de que "eu devia parar com essa mania", não existe! Agora para você parar vai ter pedir nossa autorização e eu duvido que você consiga... rsss
Mais uma coisa, você tem inspirado outros a criarem blogs. Ontem eu fiquei aqui apanhando porque estou ajudando o Estevão a criar o blog dele, pode uma coisa desta?
Perguntei sobre o que ele vai falar e ele disse: muitas coisas dicas de como acabar rápido o dever de casa, futebol, notícias, vídeo game... quem aguenta?!

Bj

Flávia

Pablo disse...

Hahahahahaha
Flávia, estou rindo muito e quero saber dessas dicas de como acabar rápido o dever de casa. Ah, fora a paixão de minha irmã pelo seu frango, minha mãe quer conhecer o Estevão.

É, Flávio, permissão negada. Somos piores que o Consulado dos EUA.

Abraço.

Flávia disse...

Chefinho,

Estevão tá aqui me corrigindo, ele disse que não como acabar rápido e sim como tornar o dever de casa divertido! Você pode com isso? kkkkkk
O fundo de quintal pode ser uma boa oportunidade da sua mãe conhecer o Estevão... hehehehe
To tentando me garantir.

Bj

Flávia