31 de mai de 2009

Congado | Serra de Santa Helena | 31.05.09

Foto de Quim Drummond. Apresentação de Congado na Serra de Santa Helena, na recepção à Missão Espanhola em Sete Lagoas.

29 de mai de 2009

Tsunami piauiense

[Foto de vítimas pobres do rompimento da barragem dos Algodões / Estadão Online]

No fundo, ninguém punha fé que as nossas agressões ambientais, um dia, iam ter troco. Ou, se tivesse, que se abateria sobre esse país abençoado por Deus... Afinal de contas, tsunamis são asiáticos... Até a palavra é japonesa, coisa do outro lado do mundo.

As ocorrências desse ano, entretanto, têm sido ameaçadoras e bem debaixo do nosso nariz: as chuvas em Santa Catarina, depois no Nordeste e, agora, no Nordeste, mais dramaticamente no Piauí, com o rompimento da barragem dos Algodões. E nessa hora, os mais desprotegidos, os mais pobres é quem pagam o pato. Um alerta doloroso!

Faz lembrar Vandré: "madeira de dar em doido vai descer até quebrar. É a volta do cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar"...

SPAM

No blog do Antônio Prata um esclarecimento inusitado sobre a origem da palavra SPAM:

Expedição do Velhas nota melhora no rio

N'O Estado de Minas desta sexta:

Ora a calmaria transpirava vida e apontava esperança, ora a mansidão denunciava o fôlego perdido. Fim de viagem para os navegadores do Projeto Manuelzão, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) pela Expedição do Velhas 2009, e começo de uma outra longa jornada. Durante os 21 dias de navegação pelo Rio das Velhas, os três navegadores encontraram, pelos 811 quilômetros percorridos, boas e más notícias, que variavam assim como o balanço no caiaque pelo curso d’água.

Hoje, quando a trajetória chega ao fim, a equipe encerra o percurso no encontro entre o Rio São Francisco e o Velhas, em Barra do Guaicuí, distrito de Várzea da Palma, no Norte de Minas. Para celebrar a viagem, o Vapor Benjamin Guimarães descerá de Pirapora para se encontrar com os caiaques viajantes.

A longa viagem rendeu aos navegadores percepções esperançosas de recuperação das águas do principal afluente do Rio São Francisco, assim como frustrações diante da poluição que persiste. “Ele é como uma doença crônica, por mais que se cure, ainda há feridas graves a serem tratadas”, compara o coordenador do Projeto Manuelzão, Marcus Vinícius Polignano, que aponta como as chagas ainda abertas o aterro sanitário de Nova Lima, conforme divulgado na semana passada pelo Estado de Minas, os esgotos de Sabará, na Grande BH, e o de Sete Lagoas, na Região Central, além da ação das indústrias no Norte de Minas. “Vários municípios continuam poluindo as águas, mas estes citados não têm nem projeto para mudar o cenário”, diz, indignado.

De acordo com ele, em Sete Lagoas e Sabará os esgotos são lançados diretamente no leito do rio. A Prefeitura de Sete Lagoas confirma o fato e informa que já existe um projeto, com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que prevê a construção de uma estação de tratamento. O plano é considerado prioridade pela administração pública da cidade.

[Leia versão na íntegra aqui]

Apoiadores lançam pré-candidatura de Patrus ao Governo de Minas

[Fonte: Boletim do Mandato do Deputado André Quintão]

Neste final de semana, será realizado o Encontro Estadual da Articulação do PT , no SESC Contagem, que terá no sábado, 30, às 9 horas, um Ato pela Pré-candidatura do Ministro Patrus Ananias ao Governo de Minas Gerais. Além das lideranças políticas, comunitárias e militantes ligados à Articulação, o Encontro Estadual, que se estende até o domingo, reunirá representantes de outras tendências do PT e partidários independentes que apóiam a pré-candidatura de Patrus.

A abertura oficial do Encontro Estadual, com o tema “O futuro do PT e as transformações que queremos para Minas”, será nesta sexta-feira, dia 29, às 19 horas, seguida de um debate sobre a reforma política. No sábado à tarde, o tema será a organização para o Processo de Eleição Direta do PT – PED – que acontece em novembro próximo em todo o país, e no domingo os participantes debatem as Diretrizes para a Construção de um Programa Popular para Minas Gerais. Os trabalhos serão encerrados no domingo às 12 horas.

O Encontro Estadual foi precedido de doze encontros regionais em todo o Estado, que reuniram mais de 3.500 filiados.

A propósito, leiam [
aqui] entrevista do ministro: 'Do Bolsa Família para o governo de Minas'

28 de mai de 2009

RH

Ontem, em entrevista ao João Carlos, no programa Sem Censura da Rádio Cultura, as perguntas mais comuns dos ouvintes, que me foram dirigidas, giraram em torno do plano de cargos e salários do servidor municipal. Intervenções sobre 'se desta vez seria prá valer', traziam, subliminarmente, a opinião de que nunca o foram. Na verdade, todo mundo sabe que não é um tema simples. A maioria das tentativas anteriores de resolver o problema, aprofundaram o seu nível de desajuste. Uma teia quase intocável de salários baixos, penduricalhos compensatórios, direitos adquiridos transversos, e mais, frágil estrutura de carreira, nenhuma regra de progressão, dependência de ocupação de cargos comissionados, pouco estímulo a qualificação...

Por mais espinhoso que seja, é um desafio inevitável. Não existe essa conversa de modernização administrativa, reforma organizacional por resultados, e todos os nomes modernos que esse tema anda recebendo, sem o enfrentamento do gargalo da reorganização da burocracia pública. O ponto central não é a tecnologia, como querem alguns, mas o capital humano.

A propósito, numa direção absolutamente acertada, o prefeito Maroca propõs, ontem, o reajuste do servidor em bases superiores ao que vinha sendo debatido: aumento de 7% - acima do IPCA e portanto com ganho real - e criação de um piso de R$500,00.

27 de mai de 2009

Em Minas, mata Atlântica vira carvão

Estado de Minas, de hoje:

Nos últimos três anos, Minas Gerais perdeu 32,7 mil hectares de mata [Atlântica], o equivalente a 32 mil campos de futebol, liderando o ranking entre os 10 estados que mais perderam cobertura vegetal nativa. A má notícia foi dada ontem pela Fundação S.O.S Mata Atlântica, que publicou a quinta edição do atlas sobre a cobertura vegetal no estado. Os números correspondem aos desmatamentos ocorridos no período entre 2005 e 2008. O resultado tem um lado positivo. Na comparação com o período anterior, entre 2000 e 2005, houve uma redução de 32% no desflorestamento.

Minas Gerais tem a maior extensão de remanescentes florestais e, segundo Márcia Hirota, diretora de Gestão do Conhecimento e coordenadora do atlas, os desmatamentos detectados ocorreram nas matas secas, nos limites com o cerrado. “O território mineiro tem recursos para conter essa devastação, no entanto, o que falta é um trabalho efetivo de fiscalização e controle para o cumprimento da legislação ambiental”, defende Márcia. Ela defende a adoção de políticas públicas e incentivos que valorizem a floresta em pé. “É necessário se quisermos garantir água em qualidade e quantidade, clima regulado e outros serviços ambientais para os 112 milhões de habitantes que vivem no bioma da mata atlântica em todo o país”, adverte.

Futebol total


Cruzeiro x São Paulo, no Mineirão, e Caracas x Grêmio, na Venezuela, ambos às 21:50, pela Libertadores. Também nesse horário 'nobre', Vasco x Corinthians, no Maracanã, e Inter x Coritiba, no Beira Rio, pela Copa do Brasil. Antes, às 15:45, pela final da Liga dos Campeões da Europa, Barcelona x Manchester United. Quarta de arrasar...

Quebra-cabeça

Muita água ainda vai rolar debaixo desta ponte...

A notícia da semana é a intenção que teria sido manifestada pelo presidente Lula em ter o senador e ministro mineiro Hélio Costa como vice na chapa de Dilma Rousseff em 2010. No nível federal, isso atrairia o PMDB do Senado, ainda que mantivesse à distância o PMDB da Câmara. Mas como o PMDB não é um partido, mas vários, já é alguma coisa... Mas essa história mudaria mesmo é o quadro mineiro: sem Hélio Costa, que tem a preferência nas pesquisas, até o momento, o espaço para o candidato petista – Pimentel ou Patrus – ficaria ampliado e a tese da coligação PT-PMDB ganharia reforço também no estado.

Por outro lado, acho que a decisão dentro do PT vai depender menos de prévias e PED’s e mais, de novo, da vontade do presidente. Uma chapa Patrus com vice do PMDB seria imbatível...

Haja força!

Depois de tentar todos os tratamentos convencionais, sem sucesso, o vice-presidente José Alencar seguiu, nesta terça, para o Texas-EUA para um tratamento experiental contra novos tumores identificados.

Apesar de tudo, consegue manter o humor e brincar: "O tumor é bravo". Mas eu sou da roça. Estou acostumado a montar cavalo bravo".

Bravo mesmo é ele: José Alencar!

26 de mai de 2009

Missão Espanhola em Sete Lagoas


Sete Lagoas recebe, neste final de semana, uma missão de especialista espanhóis patrocinada pela Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID - http://www.aecid.org.br/). Estarão conosco Pedro Flores Urbano, coordenador-geral da agência no Brasil, Alejandro Muñoz Muñoz, diretor de projetos da agência, Lluís Mundet i Cerdan, diretor da Escola de Turismo da Universidade de Gironda, e Tadeu Assad, diretor do Instituto Ambiental Brasil Sustentável - IABS, uma entidade parceira da AECID no Brasil.

Trata-se de uma missão de prospecção. Quando estive com o prefeito Maroca em Brasília, no período de transição de governo, visitamos o Pedro Flores, que se dispôs a enviar especialistas em turismo à nossa cidade para avaliação de nosso potencial e a estruturação de um arranjo de universidades para o desenvolvimento de projeto de base inclusiva. Bom lembrar que sobre turismo, nenhum país concorre com a Espanha. Pedro levou ao pé da letra o que prometeu.

Lluís Mundet e Alejandro Muñoz vêm direto de Maceió, onde estão trabalhando em um projeto turístico na região das lagoas. Pedro Flores e Tadeu Assad vêm direto de Brasília numa deferência especial ao prefeito Maroca.

É bom que se fale um pouco da AECID. Tem sido uma das cooperações internacionais mais ativas no Brasil. Não apenas pelo aporte de recursos, mas, sobretudo, pela definição de linhas estratégicas de ação: governança democrática, cobertura das necessidades sociais, promoção do tecido econômico e empresarial, cultura e desenvolvimento e gênero e desenvolvimento.

Especialmente no primeiro caso, tem apostado no desenvolvimento do Estado de Direito com o apoio, por exemplo, à Escola Nacional de Formação e Capacitação de Magistrados do Trabalho, e no fortalecimento da administração pública, sobretudo no que se refere à gestão de políticas públicas de inclusão social do governo federal brasileiro.

Na promoção econômica, tem investido em projetos pesqueiros no Maranhão, Paraíba e Alagoas e em projetos turísticos no Piauí, Ceará e, de novo, Alagoas e Maranhão.

Eu acompanhei de perto a ação da Cooperação Espanhola em Alagoas, no processo de constituição da AFAL. A AFAL é a agência de fomento local, com foco em micro, pequenos e médios negócios. Nas palavras do governador Teotônio Vilela e do secretário de planejamento Sérgio Moreira, a AFAL não teria se constituído sem o apoio decisivo do Pedro Flores. Todo o suporte para reunir massa crítica em torno do projeto, toda a retaguarda para a negociação com o FOMIM-BID e, adiante, todo apoio no desenho final da agência tiveram a presença fundamental da AECID. Ela não apenas entrou no jogo, mas entrou de forma determinada, catalisando a participação de outras cooperações como o BID e o PNUD.

A programação da Missão em Sete Lagoas começa nesta sexta (29) com recepção, visita à gruta do Rei do Mato e reunião técnica no UNIFEMM. No sábado (30), prossegue com visita a Cordisburgo, na gruta e no museu Casa de Guimarães Rosa; visita ao resort Águas do Treme em Inhaúma e à Cachaçaria Victorino em Fortuna de Minas. No domingo (31), participa de dois city tours sete-lagoanos: uma pelas lagoas e área central, outro na Serra de Santa Helena.

25 de mai de 2009

Que furada!

No Globo Online de hoje:
Dois ex-jornalistas do "New York Times" revelaram que tiveram informações sobre o escândalo de Watergate, que em 1974 custou a renúncia do presidente dos EUA, Richard Nixon, antes de seus rivais do "Washington Post", perdendo assim um dos maiores furos jornalísticos de todos os tempos. As informações foram divulgadas numa matéria nesta segunda-feira do próprio "NYT".

24 de mai de 2009

O SAAE é a solução!

O 'Correio de Uberlândia' publicou neste sábado, 23, reportagem do nosso amigo e conterrâneo Pablo Pacheco. A reportagem tem o título de 'Uberlândia é a 2ª em ranking de saneamento'. Como o serviço é operado localmente pelo Departamento Municipal de Água e Esgoto - DMAE, a matéria repercutiu entre nós, nas palavras do próprio Pablo, como 'o SAAE tem salvação'...

Pablo mandou para meio mundo sete-lagoano o link da reportagem; para o outro meio mundo, informo que o link é:

O ranking foi elaborado pelo Instituto Trata Brasil e traz o seguinte quadro:

Para além da reportagem do Pablo, sugiro ir diretamente ao site do 'Trata Brasil' e explorar um pouco mais o ranking que envolve as 79 maiores cidades brasileiras, com população acima acima de 300 mil habitantes. Alguns comentários interessantes:

a) Das 10 cidades em melhor posição no ranking de saneamento - pasmem! - 6 delas estão sob gestão de órgãos municipais! Ou seja, temos um tesouro nas mãos e subestimamos... Duas estão sob gestão da SABESP, uma da SABEPAR (do Paraná) e uma de empresa privada;

b) No ranking 20, 10 são municipais, 8 empresas públicas e 2 privadas;

c) Entre as 79 cidades, a nossa COPASA só aparece 5 vezes... e mal: em BH, (no 13º lugar); em Contagem (28º), em Montes Claros (40º), em Betim (58%) e Ribeirão das Neves (61%);

d) Bom lembrar que Montes Claros, uma das poucas na lista para salvar a COPASA, está na justiça contra a mesma COPASA pela falta de tratamento de esgoto.

Os fatos tornam difícil a vida dos defensores irracionais e incondicionais da COPASA em Sete Lagoas. É melhor cair a ficha: esse problema, com ou sem COPASA, sempre será nosso! Só há uma saída: sanear o SAAE e ponto. Minha posição é esta: dar todo apoio à gestão do atual diretor-presidente Ronaldo Andrade, garantindo-lhe a indispensável estabilidade política.

Tédio nas ruas estreitas de Monte Carlo


O GP de Mônaco foi puro tédio. Mesmo as tradicionais batidas nos guard-rails foram poucas. Ultrapassagem que é bom, nada. Massa tentou uma vez, deu-se mal e deixou prá lá. Button continuou sobrando: 5 vitórias e 6 provas. Barrichello teve o mérito de pular para 2º na largada. Foi tudo o que fez. Sempre que tiver um bom carro, terá tudo para ser o número 2. Nada além disto. De bom, apenas o sinal de reação da Ferrari: pôs seus dois carros atrás dos dois da Brawn GP. Disparado na frente, com folga de 16 pontos, tudo que Jenson Button quer é que as outras equipes evoluam, dividam pontos entre si e inviabilizem que um único adversário rivalize com ele.

Domingão

Naturalmente, o domingo começa às 7:55 com o Globo Rural. O GR é, sem concorrentes, o melhor programa da TV brasileira. Aprende-se mais ali sobre altenativas sustentáveis de desenvolvimento do que em qualquer outro lugar.

À 8:50 começa a F1. É bom lembrar que não é qualquer GP, mas o incomparável GP de Mônaco. sempre emocionante e surpreendente. Com essa nova versão de F1, mais competitiva, a coisa promete. As impossíveis ultrapassagens em Mônaco são e deverão ser, mais ainda, um show a parte.

Às 14:00 uma agenda de primeira qualidade: a retransmissão do programa Globo Ciência (que já foi ao ar este sábado), inteiramente dedicado ao genial geógrafo Milton Santos.

No mais, depois de Cruzeiro 2 x 0 Vitória, resta torcer pela derrota do Galo contra o Sport, na Ilha do retiro: pedreira!

VOX: liderança do PT e Dilma acima dos 20%

Está disponível no site do PT a versão integral da pesquisa realizada pelo Instituto Vox Populi, neste mês de maio, que confirma a liderança partidária do PT e mostra que a ministra Dilma já supera a barreira dos 20% de intenções de voto para presidente da República.

Especialmente sobre o PT, a avaliação de preferência partidária é um show: dá a ele 29%! Os demais partidos ficam longe, muito longe: o PMDB com 8 e o PSDB com 7%. Irrelevantes!

Sobre 'simpatizantes', os que se dizem favoráveis sobem de 47 para 59%, no período de 1 ano, os indiferentes ao PT caem de 41 para 28% e os poucos que têm antipatia pelo partido continuam estabilizados em 12%.

O outros números são todos impressionates:

a) 67% mostram-se satisfeitos com relação ao Brasil;
b) 59% acham que o país melhorou nos últimos dois anos;
c) 56% têm expectativa que o país vai melhorar ainda mais nos próximos 2;
d) 81% dos entevistados avaliam o PT como forte ou muito forte;
e) 65% acham positiva a atuação do PT na política brasileira;
f) 70% entendem que o PT ajuda o Brasil a crescer;
g) A avaliação positica do desempenho do presidete Lula alcança 66%;
h) a implantação de políticas sociais e do programa Bolsa Família são, de lavada, as melhores ações do governo;
i) 52% acham que o próximo presidente deve ser do mesmo partido do Lula ou de outro, mas apoiado por ele; E ainda 10% acham de deve ser de um partido que faça oposição moderada ao Lula;
j) Em todas as 5 listas apresentadas para voto estimulado, Dilma tem variação de 19 a 25% das intenções. Ainda perde para Serra, com intenções entre 36 e48 dos votos, nas 3 simulações em que ele aprece. Já está tecnicamente empatada com Ciro quando o PSDB vem de Aécio. E sem Ciro, bate o tucano Aécio por 25 a 20%.

Meses atrás, nas engenharias eleitorais, comentava-se, que esse números da Dilma só seriam alcançados mais ao final do ano. Era a condição de sua viabilidade. O processo antecipou-se e segue acelarado!

Zubetzblitz: fantástico!


O site russo Zubetzblitz é integrado pelo World Wide Panorama. O programa permite aproximar e girar as paisagens retratadas a 360º.

O World Wide Panorama, que abastece o site com fotos de novos lugares, foi criado em março de 2004 e reúne fotografias de profissionais de todo o mundo, permitindo a interação pelo panorama VR - de realidade virtual, na sigla em inglês -, que aumenta o potencial de visualização e a interação com os retratos feitos. Basta clicar sobre eles e "passear" por belas paisagens.

Entre no Zubetzblitz e passeie pelo Rio de Janeiro. Na lateral direita da tela, as pequenas estrelas aplicadas sobre a foto carregam como imagem principal os pontos turísticos nelas indicados: do Cristo Redentor, das praias de Copacabana e Botafogo e até o Morro Santa Teresa.

O vá ao Millenium Plaza Hotel, em Nova York, de onde se pode curtir a vista geral da cidade, tendo a impressão de que, de fato, se está hospedado no hotel e debruçado sobre a janela.

(Fonte: Portal Terra e Blog da Mary)

22 de mai de 2009

Decoupling 2.0

No caderno de Economia do Estadão Online de hoje:

'Economist': emergentes podem sair da crise antes que os EUA

Publicação britânica ressuscita a tese do 'descolamento', mas diz que agora ele será mais limitado.

Um artigo na edição mais recente da revista britânica The Economist afirma que as grandes economias emergentes, principalmente Brasil, China e Índia, podem se recuperar mais rapidamente da crise econômica do que os Estados Unidos.

A revista defende uma nova tese do "descolamento", teoria defendida no ano passado por alguns analistas (entre eles a própria Economist) que afirmavam que os emergentes estariam mais resistentes a uma recessão nos EUA.

Admitindo que esta tese não se mostrou correta durante a crise, a Economist apresenta agora a tese do "descolamento 2.0" ("Decoupling 2.0", que dá nome ao artigo), que, segundo a publicação, seria "um fenômeno mais limitado, restrito a algumas das maiores e menos endividadas economias emergentes".

"Mesmo se a economia americana continuar fraca, há sinais de que as algumas das maiores economias emergentes podem ter uma recuperação razoável", diz a publicação.

A revista argumenta que esta nova teoria é baseada em dois fatores subestimados: que as grandes economias emergentes seriam menos dependentes dos gastos americanos do que se acredita e por elas terem se provado mais capazes e desejosas de responder à fragilidade econômica.

Como prova desse "novo descolamento", a revista cita o exemplo da China, cuja economia começou a se acelerar novamente nos primeiros quatro meses deste ano.

"Apesar dos debates sobre a precisão dos dados do PIB da China (...) o crescimento este ano pode ser perto de 8%. Este otimismo abasteceu os preços das commodities, o que, por sua vez, melhorou as previsões para o Brasil e outros exportadores de commodities".

19 de mai de 2009

O mundo conforme Casciari

O que circula de besteria na internet não está no gibi. Mas, vira e mexe, aparece coisa legal. O texto seguinte é um desses casos imperdíveis:


Li uma vez que a Argentina não é nem melhor, nem pior que a Espanha, só que mais jovem. Gostei dessa teoria e aí inventei um truque para descobrir a idade dos países baseando-me no 'sistema cão'.

Desde meninos nos explicam que para saber se um cão é jovem ou velho, deveríamos multiplicar a sua idade biológica por 7. No caso de países temos que dividir a sua idade histórica por 14 para conhecer a sua correspondência humana. Confuso? Neste artigo , exponho alguns exemplares reveladores.

Argentina nasceu em 1816, assim sendo, já tem 190 anos. Se dividimos estes anos por 14, a Argentina tem 'humanamente' cerca de 13 anos e meio, ou seja, está na pré-adolescência. É rebelde, se masturba, não tem memória, responde sem pensar e está cheia de acne.

Quase todos os países da América Latina têm a mesma idade, e como acontece nesses casos, eles formam gangues. A gangue do Mercosul é formada por quatro adolescentes que tem um conjunto de rock. Ensaiam em uma garagem, fazem muito barulho, e jamais gravaram um disco.

A Venezuela, que já tem peitinhos, está querendo unir-se a eles para fazer o coro. Em realidade, como a maioria das mocinhas da sua idade, quer é sexo, neste caso com Brasil que tem 14 anos e um membro grande.

O México também é adolescente, mas com ascendente indígena. Por isso, ri pouco e não fuma nem um inofensivo baseado, como o resto dos seus amiguinhos. Mastiga coca, e se junta com os Estados Unidos, um retardado mental de 17 anos, que se dedica a atacar os meninos famintos de 6 anos em outros continentes.

No outro extremo, está a China milenária. Se dividirmos os seus 1.200 anos por 14 obtemos uma senhora de 85, conservadora, com cheiro a xixi de gato, que passa o dia comendo arroz porque não tem - ainda - dinheiro para comprar uma dentadura postiça. A China tem um neto de 8 anos, Taiwan, que lhe faz a vida impossível. Está divorciada faz tempo de Japão, um velho chato, que se juntou às Filipinas, uma jovem pirada, que sempre está disposta a qualquer aberração em troca de grana.

Depois, estão os países que são maiores de idade e saem com o BMW do pai. Por exemplo, Austrália e Canadá. Típicos países que cresceram ao amparo de papai Inglaterra e mamãe França, tiveram uma educação restrita e antiquada e agora se fingem de loucos. A Austrália é uma babaca de pouco mais de 18 anos, que faz topless e sexo com a África do Sul. O Canadá é um mocinho gay emancipado, que a qualquer momento pode adotar o bebê Groenlândia para formar uma dessas famílias alternativas que estão de moda.

A França é uma separada de 36 anos, mais puta que uma galinha, mas muito respeitada no âmbito profissional. Tem um filho de apenas 6 anos: Mônaco, que vai acabar virando puto ou bailarino... ou ambas coisas. É a amante esporádica da Alemanha, um caminhoneiro rico que está casado com Áustria, que sabe que é chifruda, mas que não se importa.

A Itália é viúva faz muito tempo. Vive cuidando de São Marino e do Vaticano, dois filhos católicos gêmeos idênticos. Esteve casada em segundas núpcias com Alemanha (por pouco tempo e tiveram a Suíça), mas agora não quer saber mais de homens. A Itália gostaria de ser uma mulher como a Bélgica: advogada, executiva independente, que usa calças e fala de política de igual para igual com os homens (A Bélgica também fantasia de vez em quando que sabe preparar espaguete).

A Espanha é a mulher mais linda de Europa (possivelmente a França se iguale a ela, mas perde espontaneidade por usar tanto perfume). É muito tetuda e quase sempre está bêbada. Geralmente se deixa foder pela Inglaterra e depois a denuncia. A Espanha tem filhos por todas as partes (quase todos de 13 anos), que moram longe. Gosta muito deles, mas a perturbam quando têm fome, passam uma temporada na sua casa e assaltam sua geladeira.

Outro que tem filhos espalhados no mundo é a Inglaterra. Sai de barco de noite, transa com alguns babacas e nove meses depois, aparece uma nova ilha em alguma parte do mundo. Mas não fica de mal com ela. Em geral, as ilhas vivem com a mãe, mas a Inglaterra as alimenta. A Escócia e a Irlanda, os irmãos de Inglaterra que moram no andar de cima, passam a vida inteira bêbados e nem sequer sabem jogar futebol. São a vergonha da família.

A Suécia e a Noruega são duas lésbicas de quase 40 anos, que estão bem de corpo, apesar da idade, mas não ligam para ninguém. Transam e trabalham, pois são formadas em alguma coisa. Às vezes, fazem trio com a Holanda (quando necessitam maconha, haxixe e heroína); outras vezes cutucam a Finlândia, que é um cara meio andrógino de 30 anos, que vive só em um apartamento sem mobília e passa o tempo falando pelo celular com Coréia.

A Coréia (a do sul) vive de olho na sua irmã esquizóide. São gêmeas, mas a do Norte tomou líquido amniótico quando saiu do útero e ficou estúpida. Passou a infância usando pistolas e agora, que vive só, é capaz de qualquer coisa. Estados Unidos, o retardadinho de 17 anos, a vigia muito, não por medo, mas porque quer pegar as suas pistolas.

Irã e Iraque eram dois primos de 16 que roubavam motos e vendiam as peças, até que um dia roubaram uma peça da motoca dos Estados Unidos e acabou o negocio para eles. Agora estão comendo lixo.

O mundo estava bem assim até que, um dia, a Rússia se juntou (sem casar) com a Perestroika e tiveram uma dúzia e meia de filhos. Todos esquisitos, alguns mongolóides, outros esquizofrênicos.

Faz uma semana, e por causa de um conflito com tiros e mortos, os habitantes sérios do mundo, descobrimos que tem um país que se chama Kabardino-Balkaria. É um país com bandeira, presidente, hino, flora, fauna... e até gente! Eu fico com medo quando aparecem países de pouca idade, assim de repente. Que saibamos deles por ter ouvido falar e ainda temos que fingir que sabíamos, para não passar por ignorantes.

Mas aí, eu pergunto: por que continuam nascendo países, se os que já existem ainda não funcionam?

Hernán Casciari nasceu em Mercedes (Buenos Aires), a 16 de março de 1971. Escritor e jornalista argentino. É conhecido por seu trabalho ficcional na Internet, onde tem trabalhado na união entre literatura e blog, destacado na blognovela. Sua obra mais conhecida narede, 'Weblog de una mujer gorda', foi editada em papel, com o título: 'Más respeto, que soy tu madre'.

Frente Parlamentar de Defesa do Meio Ambiente

Eu participei, ontem, do lançamento da Frente Parlamentar de Defesa do Meio Ambiente, na Câmara Municipal de Sete Lagoas. Tive a honra de fazer uma palestra sobre ‘Planejamento Urbano e Meio Ambiente – Por uma cidade melhor para se viver’. Não me atrevi a tanto, senão apenas a propor algumas reflexões que pudessem contribuir no processo de construção da frente.

De largada, eu me apoiei nas idéias de Milton Santos, que contrapôs os cânones da geografia clássica de paisagem ou da dualidade entre sociedade e espaço, com os conceitos de formação sócio-espacial, de sistema integrado de materialidade e ação e, sobretudo, de território vivido. Adaptei esse conceito ao de meio ambiente: meio-ambiente não apenas como receptáculo da ação humana, mas constituído, também pelas intervenções humanas. À luz dessa visão propus 3 reflexões. A primeira que chamei de ‘nosso modelo de desenvolvimento não ajuda...’. Nesse caso eu distingui quatro características de nosso modelo atual: (i) alta taxa de crescimento demográfico; (ii) crescente exposição ao contágio metropolitano, (iii) capacidade de alcançar alta performance econômica, e (iv) baixa capacidade de distribuição de renda. Ou seja, crescemos em população e produção de riqueza, mas aprofundando o nível de exclusão social. A conclusão inicial foi esta: não há sustentabilidade ambiental sem sustentabilidade social. Parafraseando Milton Santos, usei o termo ‘sócio-ambiental’.


A segunda reflexão derivou dessa primeira e da necessidade comentada de intervenção em nosso modelo econômico excludente, na direção de outro inclusivo. Dei a ela o nome de ‘superando a cilada dos falsos problemas...’. A idéia geral foi a seguinte: sem uma ação preventiva de planejamento, temas próprios do debate ambiental, acabam tornando-se temas conflitivos, determinando falsos problemas: pobreza, desenvolvimento etc. versus meio ambiente. No curto prazo são conflitos insuperáveis, mas podem encontrar posição de equilíbrio, numa visão mais abrangente de planejamento. Esta foi a tese. Comentei, em seguida minha visão de planejamento: não como mecanismo técnico de controle e organização (ou de comando e controle, como bem lembrou o meu amigo reitor Tom Bahia), mas como mecanismo político que pressupõe arranjo institucional, capacidade de negociação de conflitos e capacidade de intervenção em processos dinâmicos.

A última reflexão, eu a intitulei de ‘construindo uma cidade melhor para se viver...”. A proposição foi de que não há planejamento sem gestão; não há gestão sem institucionalização e instrumentalização; e não há resolutividade sem inovação.

Minha expectativa é de que a Frente Parlamentar consolide-se como um espaço de convergência sobre o tema sócio-ambiental, na sua maior amplitude, adensando o debate sobre questões como reconceituação do uso do espaço público, mudanças em nosso modelo de desenvolvimento, redução de externalidades urbanas, outras maneiras de morar etc. Contribua, ainda, para um pacto de estabilidade da gestão pública municipal e abra espaço político para que possamos ter uma gestão urbano-ambiental mais ‘severa’.

Os vereadores Claudinei Dias (PT), que preside a Frente, Renato Gomes (PV), vice-presidente, Dalton Andrade (PT) e Celso Paiva (PT) estão de parabéns pela atitude corajosa e responsável. Bom trabalho!

18 de mai de 2009

No criado mudo II

Quatro livros na fila. O primeiro de Nick Hornby, que acaba de lançar 'Frenesi'. Eu já li dele um livro para adolescentes ('Slam'). Meu filho ganhou e eu me apropriei. O cara escreve como ninguém... Mas não vou ler 'Frenesi', pelo menos por ora, mas 'Febre de bola', seu livro de estréia, que já foi para as telas do cinema.

O segundo livro, 'Leite Derramado' de Chico Buarque. O terceiro, 'Evocação - minha vida ao lado de Che', de Aleida March. O último, 'Gomorra' de Roberto Saviano.

Sem Ramires vai ser duro...


Roda nos portais da internet que o volante, meio-campo e atacante Ramires, destaque do Cruzeiro, estaria sendo negociado com o Benfica de Portugal - que teria mandado um representante a Belo Horizonte -, por 7,5 mi de euros. Ramires, que tem contrato com o Cruzeiro até 2012, ganhou o prêmio de melhor volante do Campeonato Brasileiro do ano passado, dado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

17 de mai de 2009

As idéias são públicas

Retomo os comentários que estão sendo feitos no blog 'No Prelo' sobre o post 'Querem tirar o presidente do SAAE'. Um anônimo entendeu a minha opinião como uma afronta à Câmara Municipal, indevida para quem está em vias de se tornar secretário municipal:

Acho que minha manifestação foi pertinente. Indaguei, com objetividade, sobre as razões que andam movendo o legislativo contra o presidente do SAAE. Não atingi pessoas nem a Câmara como instituição. Não fiz nem faria isso. Nem como cidadão nem como eventual membro do governo. Penso que opiniões dessa natureza ajudam a construir o debate. Ajo democraticamente. Não vejo nisso nenhuma arrogância ou julgamento de estar acima de todos...

A posição do 'anônimo' coloca uma questão: agentes públicos não podem externar opiniões pessoais em discussões públicas?

Vale trazer aqui a palavra do geógrafo baiano Milton Santos, um dos grandes nomes da intelectualidade brasileira. Para o caso dos intelectuais, diz ele: "Há algo de dialético em tudo isso. Os americanos estão chamando esse tipo de intelectual, que desejo ser, de intelecutal público, quer dizer, aquele sujeito que decide pensar como pensa, dizer o que pensa, escrever o que pensa, manter o que pensa". Sinceramente, acho esse o melhor caminho...

Giro no noticiário deste domingo

Kennedy Alencar foi o blogueiro e articulista do dia. Na Folha, deu como fechada a negociação dentro do PSDB para Aécio ir como vice de Serra em 2010. A coisa teria sido apadrinhada por FHC. O temor dos tucanos seria ficarem 16 anos fora do poder. Aécio teria sido ameaçado de ter que pagar essa conta. Em troca ganharia poder real e garantia de candidatura em 2015, com Serra assumindo compromisso de voltar com o mandato de 5 anos e acabar com a reeleição. A direção do PSDB correu para desmentir a notícia e assegurar as prévias. [Comentário: os tucanos, ao sabor das conveniências, mudam de posição. Com FHC instituíram a reeleição, com Serra acabariam com ela...].

Ainda Kennedy Alencar, em seu blog ele sugeriu aos tucanos uma carta social aos brasileiros. “Em 2002, Lula lançou a Carta ao Povo Brasileiro para beijar a cruz do respeito aos contratos e aos fundamentos econômicos caros ao mercado. Talvez seja a hora de a oposição começar a pensar na sua Carta Social ao Povo Brasileiro”.

Cantanhede criticou os movimentos no Congresso para o terceiro mandato de Lula: “Sei não, mas tudo isso cheira a manobra de quinta, por gente de quinta. E já vinha de antes da doença da ministra Dilma. Por enquanto, ela é a maior vítima. Depois, quem será? O país?”.

Dimenstein foi contra a eventual posição do governo de não defender uma candidatura brasileira para o cargo de diretor-geral da UNESCO.
Aqui e alí, continuou a repercussão sobre a CPI da Petrobrás e a politicagem que envolve o assunto: retaliação do PSDB pelo caso Yeda Crusius, oportunismo do PMDB, vascilo do governo etc. e tal.

Do cotidiano, em todos os jornais e portais, as notícias sobre o ‘Movimento dos Sem Namorados’ que saiu às ruas, em São Paulo, em clima carnavalesco.


Mas importante mesmo foi a descoberta do endereço da inconformista menina-filósofa Mafalda das tirinhas portenhas de Quino: Calle Chile, 371 - San Telmo - Buenos Aires. Segundo o 'Estadão', (...) um grupo de jornalistas, fãs de Quino, analisou cada detalhe das declarações do cartunista à imprensa na qual dava pistas sobre o eventual ‘bairro mafaldiano’. Além disso, verificaram que diversos prédios de uma área central de Buenos Aires correspondiam aos desenhos das tirinhas de Quino, além do ônibus da linha número 86. O resultado da pesquisa, posteriormente confirmada por Quino, foi que San Telmo era o bairro da menina autora de frases como “hoje entrei no mundo pela porta traseira” e “não é verdade que o passado foi melhor, o que acontece é que aqueles que estavam em má situação ainda não haviam percebido isso”.

Felipe, Manolito, Susanita, Mafalda, Libertad, os pais de Mafalda, Guille e Miguelito

Outras maneiras de morar


De Elisabeth Rosenthal do New York Times News, no Portal Terra:

Residentes da comunidade de luxo de Vauban, na Alemanha, são pioneiros do subúrbio, fazendo o que poucas donas de casa e executivos indo ao trabalho fizeram antes: eles abriram mão de seus carros.

Estacionamento na rua, entrada para carros e garagens residenciais são proibidos nesse novo distrito experimental nos arredores de Freiburg, próximo à fronteira com a Suíça. As ruas de Vauban são completamente "livres de carros" [car-free] - com exceção da via principal, onde o bonde para o centro de Freiburg passa, e algumas ruas nos limites da comunidade. É permitido possuir carros, mas há apenas dois lugares para estacionar - amplas garagens nos limites do complexo, onde um dono de carro compra uma vaga, por US$ 40 mil, além da casa.

Como resultado, 70% das famílias de Vauban não têm carros, e 57% venderam o carro para se mudarem para cá. "Quando tinha um carro, sempre estava tensa. Estou muito mais feliz assim", disse Heidrun Walter, treinadora de mídia e mãe de dois filhos, enquanto caminhava pelas ruas verdejantes onde o apito de bicicletas e o burburinho de crianças abafam o som de algum motor distante e ocasional.

Vauban, concluída em 2006, é um exemplo de uma tendência crescente na Europa, nos Estados Unidos e em outros lugares, que tem o intuito de separar a vida no subúrbio do uso de carros, fazendo parte de um movimento chamado "planejamento inteligente".

16 de mai de 2009

Conspiração

O blog No Prelo está com um post intitulado ‘Querem tirar o presidente do SAAE’, que provocou a manifestação de alguns leitores. Eu também meti minha colher de pau no assunto:

“Embora eu conheça o Ronaldo, saiba da sua idoneidade e competência e tenha convicção absoluta de que ele é capaz de sanear o SAAE, vou deixar de lado esse argumento, que tem uma dimensão pessoal, para colocar a seguinte questão objetiva: PORQUE QUEREM TIRÁ-LO DE LÁ? Sua gestão tem pouco mais de 4 meses, ele apresentou à Câmara um planejamento estratégico bastante consistente, o Sete Dias de hoje noticiou sua ação responsável de cortar o fornecimento de não pagadores e aumentar o nível de adimplência da autarquia, não cometeu nenhum ato de improbidade... porque, então, querem tirá-lo de forma tão açodada? O quê os vereadores querem que um presidente do SAAE faça que confronta com o perfil do Ronaldo Andrade?”

Minha impressão é que o mundo político de Sete Lagoas está imerso em uma neblina de conspiração que impede a todos de enxergarem um palmo à frente. Aquela história da política pela política. O ‘caso Ronaldo’ levou esse fato ao paroxismo. A precipitação, o açodamento, a falta de fundamentação e juízo daqueles que quiseram ‘tirar o presidente do SAAE’ expuseram a falta de razões objetivas e de interesse público e os interesses exclusivamente pessoais que fazem mover este e outros assuntos.

Minha pergunta, no momento, é o quê fazer para mudar a agenda setelagoana? Como colocar em pauta e mobilizar os atores sociais, em destaque a Câmara Municipal, a favor ou contra, na situação ou na oposição, para temas realmente relevantes?

Esta semana começa com o lançamento da ‘Frente Parlamentar de Defesa do Meio Ambiente’, uma iniciativa da bancada do PT/PV. Eu vou participar com algumas reflexões sobre planejamento urbano e meio ambiente. Na quarta, o projeto Manuelzão passa por Sete Lagoas para ver onde estamos na direção do cumprimento da meta de 2010. Vamos ver se esses ‘pequenos’ assuntos conseguem chamar tanta atenção quanto aqueles outros...

15 de mai de 2009

Manuelzão: Expedição pelo Velhas 2009

De 08 de maio a 06 de junho, o Projeto Manuelzão realizará a Expedição pelo Velhas 2009 - Encontros de um povo com sua bacia. De Ouro Preto a Várzea da Palma, ela integrará navegação pelo rio, debates e manifestações culturais.

Sete Lagoas e Jequitibá participam da programação no dia 20 de maio.

Mais informações:

Programação do dia 20:

Atlantis

Silhueta da Atlantis contra o sol. Imagem capturada a partir do solo, usando um telescópio com filtro solar, divulgada pela NASA (No Portal Terra de hoje).

14 de mai de 2009

A Minas o que é de Minas

Estado de Minas, de hoje:

"Foi com um grande sorriso que Helder Mendonça, presidente da Laticínios Condessa e sócio da MK Empreendimentos, informou na quarta-feira que a Forno de Minas voltou para as mãos da família que desenvolveu a receita e a marca do pão de queijo mais famoso do país, em um negócio de cerca de R$ 55 milhões. O contrato com a multinacional General Mills, dona da fábrica de Contagem e da marca desde 2001, foi assinado via internet com a direção da empresa nos EUA. O grupo mineiro já recebeu as chaves e conferiu as condições da fábrica de Contagem, na Região Metropolitana de BH.

A receita original e responsável pelo sucesso do pão de queijo é a que voltará a ser produzida, além de folhados, pão de batata e outros salgados assados. A novidade é que a Forno de Minas também assumiu a linha de produção de massas frescas. Mas a marca Frescarini, da General Mills, não entrou na negociação. Helder Mendonça informou que ainda não sabem se o macarrão vai ser batizado de Forno de Minas, porém, contou que outra marca de pão de queijo voltará com mais força ao mercado, a São Geraldo, que já foi a maior concorrente da Forno de Minas e estava sendo produzida de forma limitada depois de também ter sido comprada pela General Mills. A expectativa é de que a produção da fábrica chegue a 13 mil toneladas de pães de queijo e 4 mil toneladas de massas até o fim do ano. O faturamento estimado para 2009 é de R$ 110 milhões. Em dois anos, a meta da “nova” Forno de Minas é alcançar a marca de R$ 150 milhões em faturamento".

Em tempo: em 17 de abril, a General Mills, empresa de capital americano, informou que, por decisão estratégica do grupo, encerraria as atividades da 'Forno de Minas', que havia adquirido em 2001, e das massas 'Frescarini'. A alegação foi de que se tratava de uma reestruturação de negócios com supressão dos ramos de massas e pães para maior focalização nas linhas de sorvetes premium ('Häagen-Dazs') e de barras de cereais ('Nature Valley'). Claro: negócio é negócio... O preço: 500 trabalhadores na rua!

Pequenas e médias empresas: uma aposta correta

No Folha Online, de hoje: 'Governo anuncia fundo de R$ 4 bi para garantir crédito a empresas'

"O governo anunciou nesta quarta-feira uma série de medidas para aumentar o crédito para as empresas brasileiras. A principal é a criação de um fundo garantidor para médias e pequenas empresas. Esse fundo terá R$ 4 bilhões. Parte do recurso virá do Tesouro Nacional". (...)

"Segundo o ministro
[Guido Mantega], esses R$ 4 bilhões são suficientes para garantir empréstimos entre R$ 24 bilhões a R$ 40 bilhões. O Tesouro vai começar com um aporte inicial de R$ 2 bilhões. O fundo será administrado pelo Banco do Brasil".

"O empresário vai ao banco e diz que quer pegar o crédito com esse fundo de aval. O banco fala com o fundo que libera a operação", esclareceu o ministro.

"Hoje, essas empresas pagam um 'spread' de cerca de 8 pontos percentuais nos empréstimos. Segundo o ministro, com esse fundo, essa taxa deve cair pela metade". (...)

"Será reativado também um fundo de aval do BNDES para operações no mercado interno, com o mesmo objetivo. Esse fundo já existe. O governo vai colocar mais recursos nesse fundo. O valor não está definido, mas ele já estará funcionando na próxima semana".

Comentário: As chamadas MIPMES, micro, pequenas e médias empresas, têm uma capacidade empregadora e desempenham um papel distributivo de renda consideráveis. Tomando-se o caso de Sete Lagoas, a maior presença delas, vinculadas às cadeias produtivas das grandes empresas que para cá vieram, tornariam nossa economia menos vulnerável e menos concentradora. O governo federal já devia ter apostado suas fichas nesse segmento há muito mais tempo. Ótima notícia nesse momento de crise...

Arte para Crianças

Ao lado, foto de instalação do artista Ernesto Neto que reproduz com tecidos e espuma o aconchego do útero materno. Este é um dos 17 trabalhos da exposição 'Arte para Crianças' (São Paulo, SESC Pompéia, de 15/05 a 02/08) que reúne um time de primeiríssima linha: Amílcar de Castro, Athos Bulcão, Cildo Meireles, Eder Santos, Eduardo Sued, Emmanuel Nassar, Lawrence Weiner, Mariana Manhães, Nuno Ramos, Rubem Grilo, Tunga e Yoko Ono.

12 de mai de 2009

Exemplo para copiar...

Estadão de hoje, matéria de Edison Veiga:

Avenida Paulista ganha guardiã da mobilidade
A cadeirante Julie Nakayama, de 22 anos, começou ontem a sua tarefa de fiscalizar as condições das calçadas de um dos símbolos de São Paulo

Os problemas podem passar despercebidos para quem não tem deficiência física ou dificuldade de locomoção. Mas são uma pedra no caminho daqueles que precisam cruzar a avenida com o auxílio de cadeira de rodas, muletas ou bengala. Bastaram 500 metros de caminhada, com a reportagem do Estado, para que a cadeirante Julie Nakayama, de 22 anos, encontrasse quatro falhas no calçamento. "As concessionárias quebram o piso para prestar seus serviços e depois remendam mal, deixando desníveis", diz ela, sobre o principal problema encontrado, consequência, em geral, de reparos feitos por companhias de fornecimento de água, de energia ou de gás.

Desde ontem, sua missão é relatar falhas assim - e também buracos, mesinhas de bares na calçada que atrapalhem a passagem, carros-forte estacionados que não deixam espaço para uma cadeira de rodas - à Gerência da Avenida Paulista, criada no ano passado. Para, desse modo, tentar melhorar a vida dos paulistanos que têm algum tipo de deficiência ou dificuldade de mobilidade e utilizam a avenida símbolo da cidade. "Passarei metade do dia aqui e metade na Câmara, em horários alternados", conta ela, que é contratada como assistente parlamentar da vereadora Mara Gabrilli (PSDB), também deficiente. "Ela vai contribuir com seu olhar, por vivenciar isso no dia a dia", diz a vereadora. "Se o trabalho der certo, podemos pensar em expandir para outros pontos da cidade."

Veja versão completa clicando aqui.

Cada um pensa com sua cabeça e seus interesses

Acabo de receber, nesta manhã, telefonema de um amigo, informando que o Leonardo Barros, em seu blog, anda ‘pegando no meu pé’. O Leonardo teria dito, segundo já havia comentado comigo o mesmo amigo, que, embora admita não me conhecer, eu sou um petralha, pós-graduado em maldades, espertezas e picaretagens. Hoje, ele teria comentado, lá no seu blog, um post meu, o ‘Choque de gestão em Sete Lagoas: que papo é esse?’. Teria dito que, embora eu faça uma censura ao choque de gestão do Aécio, eu, contraditoriamente, afirmava que não via demérito no processo e admitia que havia sido feito com muita inteligência. Teria dito também que eu entro no governo Maroca confrontando o secretário Nadab e dividindo ao invés de somar. E que eu ando querendo ensinar coisas e não sei mais o quê...

Para os poucos que me lêem aqui, eu gostaria de fazer algumas ponderações:

a) Não conheço o Leonardo. Sei que foi candidato a vereador pelo DEMO. Como sua filiação partidária é oposta à minha não é difícil prá mim fazer um monte de ilações maldosas sobre ele. Basta querer remontar à origem do Democratas e desfiar um rosário de perversões. Mas não é justo. Se não o conheço, não vou julgá-lo e ponto. Não faço política com o fígado. Conheço e sou capaz de valorizar pessoas sérias em qualquer partido. Não vou por aí... Se ele pensa de outra forma, problema dele;

b) Sobre os comentários que ele teria feito sobre o meu texto, acho um direito dele. Sinal que ganhei mais um leitor. Tudo no mundo é questão de interpretação. E as interpretações são movidas por interesses. Se temos posições políticas opostas, temos interesses opostos, e é natural que tenhamos apreciações opostas também sobre temas do dia-a-dia. Isto é democracia. Bom que seja assim...

c) Para elucidar os fatos: primeiro, eu fiz sim uma crítica clara ao choque de gestão mineiro. Tenho posição ideológica contrária a ele. Isso não me proíbe, entretanto, de admitir que dentro da lógica tucana, no alcance de seus objetivos, eles tiveram todo mérito e foram muitíssimo inteligentes. O Anastasia não precisa ser petista para eu admitir que ele é um craque. O fato de eu ser cruzeirense não me veda os olhos para o bom jogo do adversário. No caso do vice-governador, a propósito, a divergência é dupla: além de tucano, ele é atleticano...

d) Segundo, não quero confrontar o secretário Nadab e tampouco dividir o governo. Por isso mesmo, qualifiquei no texto o que eu estava nomeando como ‘choque de gestão’. Usei o termo no seu sentido estrito, de um choque fiscal ('déficit zero'), coisa que acho inaplicável em qualquer município. Na transição, quando convivi com Nadab, a meu ver, ele usava a expressão numa versão extensiva, incorporando todo esforço de qualificação da gestão pública. Nessa lógica, o Brasil inteiro poderia usar a mesma expressão indistintamente. De qualquer forma, acho esse debate relevante. O governo Maroca é um governo de coalizão que integra, dentre outros, petistas e tucanos. Desde que estejamos buscando nossos pontos de convergência, o debate sobre visões distintas de gestão é ótimo. Sete Lagoas só tem a ganhar. Isso não leva necessariamente à divisão. É possível construir a unidade na diversidade e na pluralidade. A propósito, o próprio prefeito Maroca não usa a expressão 'choque de gestão'!;

e) Sobre querer ensinar coisas, bom... acho apenas um comentário engraçado. Eu opino com liberdade, gosto do debate e da troca de idéias. Não me furto a isso. Isto não é aula, é democracia. Todo cidadão tem direito a se manifestar, a pensar alto. Os blogs servem para isso. Escreve quem quer, lê quem quer... Preservado o respeito pessoal mútuo, as idéias podem se rivalizar á vontade. Vamos em frente...

Arbustos

Essa confusão interminável do Congresso me faz lembrar uma frase que, se não me falha a memória, teria sido dita pelo ex-senador pelo PDT do Amazonas Jéfferson Péres, sobre os políticos brasileiros, quando da morte de Miguel Arraes. Alguma coisa como: 'cai um dos últimos carvalhos, ficam só arbustos'. Só arbustos mesmo...

11 de mai de 2009

SAAE: o que se pode esperar?

Os amigos do blog No Prelo fizeram comentários sobre o rápido texto ‘COPASA não é o céu’ que postei aí, logo abaixo. Ao invés de debater lá, trago o debate prá cá. Minha opinião:

A gestão do saneamento básico em Sete Lagoas, há anos, não tem qualquer compromisso com resultados. Não vou dizer nunca para não ser injusto, mas beira isso. Quando teve, ocorreu em espaço de tempo muito curto para surtir efeito ou foram iniciativas muito pessoais. Na regra, a coisa não funcionou. Houve de tudo: o excessivo contágio político no dia-a-dia foi o problema número 1. Mas já se teve, também, por exemplo, um longo período de sangria de recursos com a incorporação, pela autarquia, da função de limpeza urbana, sem contrapartida financeira. Ou seja, irresponsabilidade política graúda. Quero dizer com isso que o problema não é recente; que ele só se tornou visível pela emergência de movimentos sociais que problematizaram esse tema e botaram a agenda ambiental na ordem do dia.

A pior conseqüência disso tudo foi e é a percepção coletiva de inviabilidade do SAAE. Essa percepção acabou resvalando para um posicionamento, que tem conteúdo ideológico, contra o SAAE e pró-COPASA. Não que a solução não possa ser esta, mas este debate tornou-se irracional e sem objetividade. A matéria do jornal ‘O Tempo’, citada no post ‘COPASA não é o céu’, é boa prá alertar que não há milagre à vista. É bom atentar: o foco da matéria não é a falta de tratamento de esgoto num grotão qualquer, mas em Montes Claros que tem poder político no cenário estadual e federal igual ou superior ao nosso. E não apenas MOC, mas outras 79 cidades (ou 56% daquelas atendidas pela empresa estadual). Nada garante, portanto, que não padeceremos no mesmo paraíso da justiça brasileira, entrando no 80° lugar na fila...

Na verdade, não vejo saída sem o protagonismo do poder público local. É obrigação dele. Se ele não se mover a coisa não vai andar. Tratamento de esgoto não é um saco de dinheiro, a construção de uma estação de tratamento e pronto. É um sistema que exige gestão eficiente e comprometida com resultados socialmente pactuados. Largando o blá-blá-blá de lado, acho que temos a seguinte agenda a considerar:

a) A turma d'O Prelo fala em ‘urgência’ e ‘2010’. Não sei se coisa e outra ainda será possível. Esta é a primeira informação que precisamos ter. O SAAE precisa apresentar um plano de ação que ajuste tempo, capacidade própria de investimentos, demanda de recursos externos e capacidade de captação. Diga-se: recursos não só para investimentos diretos, mas com destaque, para fortalecimento institucional e upgrade tecnológico. Não sei se o Ronaldo Andrade, nesse pouco tempo, conseguiu avançar nesta direção ou ainda está preso no rame-rame da gestão, o que não é pouca coisa. Competência ele tem de sobra. De toda forma, este plano estratégico precisa ser priorizado. Com ele, vamos conhecer o ‘cenário SAAE’ e poderemos saber se ele nos interessa ou não;
b) O ‘cenário COPASA’, como a matéria indica, pode não ser um pacote de felicidade como se alardeia. Ele também precisa ser detalhado: prazos, indenização ofertada, recursos disponibilizados para novos investimentos, regras de correção de tarifas (isso é crítico!), garantias de cumprimento de contrato (idem!) etc. O confronto entre um e outro cenário concreto é o que nos interessa e a única alternativa para decidirmos ‘de forma séria e definitiva’;
c) Independente desses, há um terceiro cenário: o 'do saneamento imediato do SAAE', o que é uma condição necessária. O SAAE é um ativo público que não pode ser vendido na bacia das almas. As conversas que tenho ouvido sobre sua imediata substituição não me parecem sensatas, nem viáveis. Na audiência que estive na Câmara sobre o tema da ‘água’, esse me pereceu ser o foco inicial da gestão do Ronaldo;
d) Prá fechar: o que me preocupa é a intangibilidade dos resultados. Nunca se sabe se, como e quando as coisas vão se resolver. Acho que o melhor a fazer, no momento, é exigir, com urgência, do poder público a apresentação desses três cenários: o ‘cenário SAAE’, o ‘cenário COPASA’ e o 'cenário do saneamento imediato do SAAE’. E outros se houver... O que não dá é para continuar, como no passado, ao sabor das tentativas-e-erros, da falta de metas, da falta de planejamento, da falta de certeza.

Genial: Torre Eiffel, Paris

Uma amiga me mandou esse link. Entrem e vejam a Torre Eiffel em 360º. O mais bacana é a opção, do alto da torre, de ver Paris à noite...

Tem que brigar na pista...

Desta vez, Rubinho até pode ter razão. Fez um bom fim de semana e, apesar de ter perdido a pole, largou na frente e seguia em primeiro lugar. A tendência era que vencesse, não fosse a mudança de estratégia da equipe para Button. Ele ainda alega que só soube da jogada, tanto ele quanto seu mecânico, depois dos fatos consumados e já sem chance de tomar a mesma decisão. Parece malandragem mesmo. O diabo é que com o desempenho que Button vem tendo, Barrichello, mesmo com razão, tem pouca moral prá reclamar. Com 12 pontos antes, agora 14, atrás do companheiro, é óbvio que a equipe vá tratar um como primeiro e o outro como segundo piloto.

COPASA não é o céu

Os setelagoanos pró-COPASA de carteirinha sempre se referem à empresa como a solução de todos os nossos problemas. Nesta discussão COPASA versus SAAE idolatram um lado e abominam o outro. Irracionalidade total. O jornal 'O Tempo' de hoje mostra que as coisas não são bem assim. 44% das cidades atendidas pela COPASA pagam e não recebem por um tratamento inexistente de esgoto. Precisam recorrer à justiça para adequação de tarifas. Ou seja: governabilidade zero sobre a empresa. Isto é um problema!

10 de mai de 2009

Que que é isso?!

Pintura mesmo foi o gol do Nilmar do Inter sobre o timão. Que coisa impressionante! O cara driblou 6 e marcou. Isto mesmo: driblou mais da metade do time corintiano e encaixou. Não tem base não...

Superação

Foto Portal Terra: Ramires e Kléber

Cruzeiro e Flamengo, pela 1ª rodada do brasileirão, no Mineirão. No primeiro minuto, chute de Kléber, Bruno defendeu. Deu sinal de um Cruzeiro na pressão. Mas foi só sinal... O Flamengo deu o troco. Foi prá cima. Aos 16 minutos quase marcou. Cruzeiro perdeu Jancarlos que deu uma de goleiro, segundo o juiz. Mas o Flamengo perdeu o pênalti... Defesa fantástica de Fábio. Fantástica mesmo: defendeu o chute e o rebote. Quem não faz, toma. 10 minutos depois, Kléber bateu pênalti e marcou. Cruzeiro 1 a 0. Daí em diante, jogo truncado. O Flamengo dominou a maior parte. Sobrou chance, faltou finalizador. Adilson Batista, na metade do segundo tempo, satisfeito com a vitória parcial, tirou o único atacante em campo com a camisa azul, Kléber. [Thiago Ribeiro já tinha ido pro banco para recompor a defesa na expulsão de Jancarlos]. Pôs Athirson para ajudar na marcação. Sufoco... Foi um jogo de 10 contra 12. O cara do apito não escondeu sua preferência. O empate rubro-negro pareceu próximo. Só pareceu... Foi quando o volante artilheiro, nos minutos finais, fez um golaço. Ramires recebeu um lançamento longo na esquerda, colou a bola no pé, driblou dois e fez. Uma pintura! 2 a 0. Zeeerooo! Quinta tem Libertadores.

Bolsa Família, coincidências...

N'O Estadão' de hoje, versão online: "PSDB fará defesa do Bolsa-Família no NE. Após fraco desempenho no Nordeste na eleição de 2006, tucanos vão apoiar, em seminário na Paraíba, políticas de transferência de renda".

O partido pretende discutir, segundo a reportagem, diversos pontos do programa no encontro denominado 'PSDB e as Políticas Sociais: Presente, Passado e Futuro'.

Um desses pontos é que eles não querem o uso político do programa. Mas resolveram pautar o tema, exatamente, onde têm péssimo desempenho político! Curioso não?! Nesse caso, devem ter adivinhado o pensamento do Marcos Coimbra (ver post anterior): farão "a defesa de que é 'crime' fazer exploração política do Bolsa-Família e que o programa não é uma 'dádiva' do governo, mas um projeto pago com recursos dos contribuintes". Coimbra usou a palavra 'dívida', os tucanos 'dádiva'...

Influência do Bolsa Família

O Estado de Minas traz, neste domingo, artigo polêmico do sociólogo Marcos Coimbra. A sua empresa Vox Populi fez pesquisa, em abril, entre beneficários e não beneficários do Bolsa Família para tentar, o que ele reconhece que não é fácil, identificar se e como o programa influencia a opinião das pessoas.

A atitude dos dois grupos pareceu indistinta com relação à satisfação com o Brasil, à impressão se o país está no caminho certo ou errado ou ao nível de otimismo quanto à situação econômica nos próximos seis meses. Já quanto à avaliação do governo Lula ou a intenção de voto no presidente se ele disputasse um terceiro mandato, os benficiários pareceram mais pró-Lula do que o outro grupo.

A conclusão do articulista: "O que parece é que programas como o Bolsa-Família produzem algum tipo de sentimento de dívida em muitos dos beneficiários, que passam a imaginar, quem sabe, que devem algo a quem identificam como responsável pelo que recebem. Seria bom se Lula deixasse claro a todos que não lhe devem nada".

Uma boa polêmica
: estamos diante de um sentimento de submissão como o Marcos quer fazer entender ou de aprovação a um governo que fez diferença para um determinado grupo social? Em outras palavras, apenas o grupo social de maior renda tem legitimidade para votar segundo seus interesses? Ou ainda: não é natural que os pobres sejam favoráveis a quem eles avaliam, objetivamente, que lhes tenha privilegiado? Mais: para uns, a opinião expressa racionalidade; para outros, traduz submissão?

Brawn GP vai confirmando liderança

Depois da tournée asiática, a F1 começou o circuito Europeu pela Espanha, no GP de Barcelona.

Rubinho foi melhor do que Button em todo o final da semana. Mas perdeu quando contava. Nos treinos esteve na frente até o último segundo. Na hora 'h', perdeu a pole. Na corrida, fez uma ótima largada, pulou na frente e seguiu na frente do companheiro de equipe até o segundo trecho da prova. Na hora 'h', de novo Button: mudou a estratégia original de 3 para 2 pit stops e se deu melhor. Levantou o caneco pela 4ª vez em 5 provas disputas. Está com tudo.

Por falar em estratégia, a Ferrari aprontou de novo. Massa em um bom quarto lugar, teve que desacelerar para poupar combustível e perdeu duas posições. O muito que fez foi marcar seus primeiros 3 pontos depois de 4 corridas perdidas.

Nelsinho, bom... Nelsinho continua entre os 5 que ainda não pontuaram. Está indo prá fila do seguro-desemprego.

A corrida foi marcada por acidente 'espetacular' na primeira volta que tirou da prova Buemi, Sutil, Bourdais e Trulli.


9 de mai de 2009

Choque de gestão em Sete Lagoas: que papo é esse?

Uma coisa é uma coisa; outra coisa é outra coisa. Não se pode intitular de ‘choque de gestão’ toda a agenda de melhoria de qualidade gerencial do setor público. Pelo Brasil afora, há inúmeras gestões comprometidas com resultados. Governos de todas as colorações políticas e de várias esferas valorizam os temas da melhoria de arrecadação, da qualificação do gasto e da reorganização administrativa por projetos. Várias instituições públicas e privadas têm investido em fortalecimento institucional público. O ‘choque de gestão’ mineiro pode ter um pouco disso tudo, mas tem, sobretudo, quatro particularidades: atuou sobre um passivo deixado pelo desgoverno do período precedente e tirou partido disso. Ou seja, as circunstâncias foram favoráveis; teve um foco exclusivamente fiscal, tanto que usou a bandeira do ‘déficit zero’; obteve resultados ao custo do estrangulamento dos investimentos sociais, o que só foi possível porque se apropriou com esperteza dos investimentos sociais federais no estado (Fome Zero virou Minas sem Fome etc.); e pôs tudo num pacote político midiático e vendeu para o país inteiro. Nenhum demérito em nada disso. Fez tudo com muita inteligência...

Diferença de agendas. As políticas públicas foram todas municipalizadas. Quem opera a saúde, a educação básica e a assistência social, por exemplo, são os municípios. Os estados não têm esse papel executivo, mas um papel estratégico regional. Nenhum município pode priorizar o seu acerto fiscal ao custo dos seus investimentos sociais. Não há espaço pra isso. A agenda municipal não pode copiar a estadual. O papo é outro: a responsabilidade fiscal e a melhoria de gestão são obrigatórias; o desafio está, exatamente, na eficiência da gestão social, na qualificação dos serviços públicos básicos.

Desfazendo falácias. Junto com a conversa de ‘choque de gestão’ vem maluquices como estado mínimo na marra, redução linear de custeio e outras tantas. É bom lembrar que 90% da saúde é custeio. Arrochos precisam ser seletivos. A máquina pública não pode ser discutida pelo seu tamanho, em abstrato. Ela não deve ser nem maior, nem menor do que o necessário para ser eficiente. Eficiência e inovação: essas são as palavras de ordem.

Está escrito...

O globoesporte.com ouviu o prognóstico de 10 comentaristas esportivos sobre os favoritos a campeão e ao rebaixamento no Brasileirão 2009 que começa neste final de semana. Só gente de peso: Alex Escobar, André Rizek, Caio Ribeiro, Carlos Cereto, Junior, Lédio Carmona, Luís Roberto, Marcelo Barreto, Maurício Noriega e Milton Leite

Resultado: "o favoritismo é colorado. Todos (...) citaram o Internacional ao falarem sobre os favoritos ao título do Campeonato Brasileiro (...). Cruzeiro, Corinthians e São Paulo quase alcançaram a unanimidade e fazem companhia ao clube gaúcho entre os concorrentes ao caneco (...)".

O Atlético mineiro, naturalmente, só apareceu na lista dos candidatos ao rebaixamento. "Quatro comentaristas alertaram os mineiros para o risco de ir para a Segundona".

8 de mai de 2009

A crise invisível

Um em cada quatro brasileiros ignora existência da crise, diz pesquisa

Reportagem de Ygor Salles está na Folha Online de hoje:

"Um em cada quatro brasileiros disseram não ter nem ouvido falar de crise econômica no Brasil e mais da metade ainda não sentiram nenhum efeito dela, revelou pesquisa feita pela Ipsos a pedido da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e obtida pela Folha Online.

Segundo a pesquisa mensal Pulso Brasil de abril, 26% dos 1.000 entrevistados não leram nem ouviram falar de alguma crise econômica. E para 55% do total, a crise não afetou seu cotidiano (...)"
Vale a pena ver pesquisa similar apresentada pelo sociólogo Marcos Coimbra no evento 'Minas Combate a Crise":

Um velho poema para os momentos de pouco alento...

MUDANÇAS
Domingos Pellegrini Jr.

O tempo pôs a mão na tua cabeça
e ensinou três coisas. Primeiro:
você pode crer em mudanças
quando duvida de tudo, quando
procura a luz dentro das pilhas,
o caroço nas pedras, a causa
das coisas, seu sangue bruto.

Segundo: você não pode
mudar o mundo conforme o coração
tua pressa não apressa a História.
melhor que teu heroísmo,
tua disciplina na multidão.

Terceiro: é preciso
trabalhar todo dia, toda madrugada
para mudar um pedaço de horta,
uma paisagem, um homem.
Mas mudam, essa é a verdade.

Libertadores


Com gols de Soares e Marquinhos Paraná, o Cruzeiro venceu o Universidad de Chile por 2 a 1, fora de casa, abriu vantagem para o jogo de volta e deu um super passo às quartas de final da Libertadores...

7 de mai de 2009

Boca porca...

Em boca fechada não entra mosquito...

A frase da ex- jogadora Hortência em crítica ao piloto Rubens Barrichello é de uma baixaria imperdoável. Não há desculpas que amenize a gafe. Aliás, que gafe que nada, falta de educação total e ponto. É daquelas frases que condena mais quem a pronunciou do que quem ela pretendia atingir.

Hortência citou Barrichello em um discurso durante o evento em que Carlos Nunes foi empossado como presidente da CBB. "Desejo sorte ao novo presidente. O basquete está precisando. Sorte é trabalho, mas é preciso ter estrela", disse a ex-jogadora na ocasião. E arrematou: "O Rubinho Barrichello, por exemplo, tem estrela, apesar de muitos dizerem que não. O problema é que a estrela dele fica na bunda. Quando ele senta no cockpit, ela apaga".

Pobre Galo!

Celso Roth levava jeito de que ia estrear com o pé direito. Parecia que a coisa ia: o placar necessário de 3 a 0 estava feito, o goleiro Juninho pegou um pênalti que seria fatal. Maravilha...

Nos pênaltis, chegou bem ao 4 a 4. Aí veio o 5 a 4 para o Vitória. E na última cobrança, o goleiro Viáfara defendeu o chute do capitão atleticano Leandro Almeida e despachou o alvinegro.

O semestre do galo foi pro brejo: perdeu feio o mineiro e agora cai fora da Copa do Brasil. Tudo normal...

6 de mai de 2009

Desinformação 2

Ontem, a Câmara de Sete Lagoas deu-se conta de uma lei de 1986, jamais aplicada, que condicionaria a posse do diretor-presidente do SAAE (autarquia municipal de água e esgoto) a uma sabatina pelos vereadores. Em dois minutos, os mais apressados destituiram o seu diretor-presidente Ronaldo Andrade e fizeram açodados julgamentos legais, morais e políticos. Nem 24 horas depois, correu a notícia de que tal lei foi revogada em 2001. Deprimente: o uso político de meias verdades apenas desnuda interesses escusos...

Desinformação 1

Em post, ontem, comentei matéria divulgada pelo Estado de Minas sobre obra do PAC em Sete Lagoas ('Cadê o responsável técnico?'). Minha indagação era a seguinte: se a obra tinha um tão descarado erro de projeto, ainda que se visse na contingência de dar-lhe continuidade, a prefeitura não acionaria e denunciaria os responsáveis? Bom lembrar que ao poder público denunciar irregularidades não é facultativo, mas obrigatório.

Os comentários que ouvi, hoje, em Sete Lagoas dão conta de outra história: havia duas opções, uma, de fazer um interceptor com elevatória com menor custo de instalação e maior custo de manutenção; outra, de aprofundar o nível do interceptor para supressão da elevatória e funcionamento por gravidade, com relação instalação/manutenção inversa. O projeto em execução teria adotado esse última alternativa.
Novas perguntas: (a) porque a reportagem não empregou a conduta clássica de 'ouvir o outro lado', aprofundando a elucidação do problema? (b) a quem interessa essa desinformação?

5 de mai de 2009

Bolsa Família na redução do impacto da crise

Também na Folha de hoje:

Bolsa Família pode diminuir impacto da crise, diz OIT
ANA CAROLINA MORAES da BBC Brasil, em Paris

Um relatório produzido pela OIT (Organização Internacional do Trabalho) indica que a ampliação do programa Bolsa Família pode contribuir para estimular o consumo interno e amortecer o impacto da crise mundial entre as camadas mais pobres da população no Brasil.

O documento, que está sendo discutido nesta quarta-feira durante reunião da Comissão de Emprego e Política Social da organização, apresenta uma análise do programa social brasileiro, com base em dados fornecidos pelo governo e outros estudos independentes.

"Como a população de baixa renda têm forte propensão ao consumo para suprir necessidades básicas, acreditamos que a extensão do programa vai contribuir para aumentar a demanda de alimentos e produtos de primeira necessidade, além de promover o desenvolvimento local", afirmou à BBC Brasil um dos autores do estudo, Vinícius Pinheiro.

Chegando tarde...

Diz a Folha:
Enquanto o Bolsa Família prioriza as atenções da sociedade, um outro programa de transferência de renda, o BPC (Benefício de Prestação Continuada), cresce aceleradamente e seus gastos já representam 0,48% do PIB em 2008, informa reportagem de Antônio Gois, publicada na Folha desta terça-feira (versão na íntegra para assinantes do UOL e do jornal).

O benefício consiste no pagamento de um salário mínimo a idosos e deficientes com renda per capita familiar inferior a um quarto de salário mínimo. Em 2008, o governo gastou com o programa R$ 13,8 bilhões - mais do que os R$ 10,6 bilhões do Bolsa Família - para atender R$ 1,5 milhão de deficientes e 1,4 milhão de idosos.

Comentário: O BPC é um benefício constitucional regulamentado pela LOAS - Lei Orgânica da Assistência Social, desde 1993. A imprensa chegou tarde: não foi agora que superou o orçamento do Bolsa Família; o BPC sempre investiu mais recursos do que o PBF. Dois detalhes: (1) passou a ser mais demandado após a re-edição do Estatuto do Idoso que reduziu a idade legal de 67 para 65 anos; (2) é um direito que não depende de uma ação de expansão unilateral do governo. Basta estar dentro dos critérios de elegibilidade do programa para acioná-lo.

Cadê o Responsável Técnico?


Estado de Minas de hoje, reportagem de Marcos Avellar:

SETE LAGOAS
Verba do PAC desperdiçada

Município que recebeu a segunda maior verba do programa do governo federal enterra R$ 2,4 milhões em obra de novo interceptor de rede de esgoto, devido a erros grotescos.

A matéria dá conta de que o interceptor de esgoto Belo Vale-Ondina está sendo construído em profundidade excessiva que chega a 13m, quando, pelas condições topográficas favoráveis, poderia estar a apenas 4.

"Podíamos ter feito apenas uma obra, ao custo de R$ 800 mil, e economizaríamos cerca este R$ 1,6 milhão, que poderia ser gasto em outra obra essencial para a cidade", garante Geraldo Guaraci, gerente das obras do PAC.

Pergunta: se é assim, lembrando que projetos e obras de saneamento têm responsáveis técnicos, a prefeitura municipal acionou o CREA para responsabilização dos projetistas?

4 de mai de 2009

Luz no fim do túnel

No Portal Terra:

Economia internacional
Cepal diz que Brasil pode ter recuo menor que o previsto
Atualizada às 12h39

A Cepal estima que a economia da América Latina pode se contrair este ano em ritmo superior ao previsto em seu cenário inicial de queda de 0,3%, em razão do surto de gripe no México, disse Alicia Bárcena, chefe da entidade. Contudo, o Brasil, principal economia da região, mostra sinais de recuperação parcial do setor industrial, o que sugere uma retração menor que a esperada, que agora seria de 0,5% a 1%, disse.

"No Brasil, a indústria que vinha debilitada e sem força teve uma recuperação... A grande esperança do Brasil é sua demanda interna e outro conceito que vamos avaliar é como está sendo a dinâmica de comércio entre Brasil e Argentina", estimou.

França quer reurbanizar Paris

Uma exposição com 10 projetos de arquitetos renomados para reubanizar Paris foi inaugurada na última quinta.

Os projetos formam o 'Grand Paris', um dos maiores planos de reurbanização da cidade desde a construção das grandes avenidas do século 19.

Os projetos incluem arranha-céus futuristas, linhas suspensas de metrô, construções ecológicas e projetos de desenvolvimento do transporte fluvial.

Veja no Portal O Globo

Brasil vira "queridinho" do capital estrangeiro

"As sondagens de empresas estrangeiras interessadas em investir no Brasil estão se multiplicando desde o início do ano. Apesar de não indicar que os investimentos vão se concretizar no curto prazo, o movimento mostra que empresas estrangeiras de variadas origens e ramos de atividade consideram o Brasil um dos destinos mais seguros do planeta para aportar o seu capital, apesar da crise global. Em vários casos, até mesmo por causa da crise, já que o país, aos olhos estrangeiros, estaria oferecendo estabilidade e potencial de retorno (o que não ocorre com potências e outros emergentes)".

Matéria na íntegra de Zulmira Furbino no Portal Uai