31 de mar de 2009

No criado mudo

Acabei de ler 'Uma breve história do mundo' de Geoffey Blainey (Editora Fundamento, 2ª edição, 2007, 342 páginas). Para quem tiver interesse, vale como uma paisagem que se vê por inteiro, ou seja, toda experiência humana num vapt-vupt. Naturalmente, em contraponto, é bastante raso e nada analítico...

Alguns pontos que esperava encontrar escaparam ao autor norte-americano: nenhuma palavra, por exemplo sobre a ocupação moura na Europa, por séculos e séculos, e nada sobre a viagem de Marco Polo ao oriente. Do lado de cá do Atlântico, ainda que não esperasse muitas referências à terra tupiniquim, achei demais mencionar apenas a importância do pau brasil como tintura e nada mais. Nenhuma menção ao açucar brasileiro no século XVII em diante e, especialmente, ao ouro de Vila Rica. Nesse caso, não durou o século XVIII, é verdade, mas de forma concentrada enriqueceu Portugal e balançou a Europa.

De qualquer forma o livro me provocou para outras leituras associadas: uma, do mesmo autor, 'Uma breve história do século XX' (Editora Fundamento, 1ª edição, 2008, 308 páginas), que ganhei do meu amigo Márzio; outra, uma indicação de outro amigo, do Chico, em função do interesse sobre o 'caminho da seda' e a China, o livro 'Criação' (Editora Nova Fronteira, 2ª edição, 2002, 789 páginas) de Gore Vidal.

De mais a mais, depois quero comentar outras leituras recentes: uma releitura intencional do 'Manual de geografia urbana' do Milton Santos (Editora EDUSP, 3ª edição, 2008, 232 páginas) e duas leituras acidentais mais do que recomendáveis. Aquela coisa de gostar do jeitão do livro na livraria e acertar na mosca: a primeira indicação, que comecei a ler, parei e agora conclui, o 'Livro das vidas' (Vários autores, Companhia das Letras, 1ª edição, 2008, 312 páginas) que traz obtuários do New York Times. Isso mesmo, obtuários de vidas tão tolas e anônimas, quanto imperdíveis; e o segundo, recém-editado, 'Elza, a garota' (Sérgio Rodrigues, Editora Nova Fronteira, 1ª edição, 2009, 240 páginas), uma história romanceada sobre a moça que teria sido assassinada pelo comando do Partido Comunista, após a Intentona de 35.

24 de mar de 2009

SAAE: planejamento é o caminho!

Toda discussão sobre a gestão da água e esgoto em Sete Lagoas tem sido, usualmente, marcada por uma enorme subjetividade política e por apreciações muito rarefeitas de aspectos objetivos gerenciais e de viabilidade econômica. Criou-se uma geração pró-SAAE e outra pró-COPASA, ancoradas, antes de tudo, em paixões ideológicas e políticas.

Há poucos anos, o debate SAAE versus COPASA foi comprometido pela comparação imprópria dos números temerários que a má gestão histórica vinha oferecendo à autarquia municipal contra os números robustos que a gestão profissionalizada da companhia estadual ostentava. Resultado: chance zero para o SAAE. À época, a COPASA só não emplacou por falta de um ambiente político favorável. E tão só por isso... O que permite imaginar que ela pode emplacar, no futuro, se o vento mudar. Em um caso e outro, o vento é que comanda, não a formação de convicções locais.

O confronto de dois modelos de gestão, em igualdade de condições, ou seja, a projeção de resultados potenciais de um SAAE reestruturado (ou, mais adequado ao caso, saneado) contra uma proposta concreta da COPASA, é, a meu ver, o único caminho a percorrer para uma decisão segura.

Nessa direção, a audiência pública promovida pela Câmara Municipal sobre o tema ‘Água e Saneamento’, no último dia 20, acendeu uma luz no fim do túnel. Informações objetivas do presidente do SAAE, Ronaldo Andrade - um velho colega e amigo, de quem posso atestar o alto nível de competência, a indiscutível idoneidade e a boa sensibilidade política – indicaram na direção de que a autarquia pode ganhar fôlego no curto prazo. Um exemplo: a produção não faturada do SAAE, hoje, está em 54%; a meta estabelecida de redução para 30% em 2010 vai gerar uma capacidade de investimento de R$ 700 mil/mês. Ronaldo está trabalhando com planejamento: estratégias, metas e prazos definidos. Este é o método correto de enfrentar o problema. A discussão sobre COPASA, consórcios privados etc. deve aguardar os resultados desse esforço.

17 de mar de 2009

SAAE, again [I]

Quero retomar esse assunto do SAAE - Sete Lagoas, aproveitando audiência na Câmara Municpal sobre o tema, no próximo dia 20/03.

Para quem não leu postagem anterior:

Vai-não-vai...

Estou sempre à beira de retomar esse blog. Depois de alguns meses, quem sabe agora vai...